Pesquisar neste blogue

domingo, 22 de fevereiro de 2009

XXVI edição 20 Km de Cascais


Ele há provas em que de imediato não nos ocorre nada para contar. Porque nada temos a reclamar, a denunciar, a exigir e reivindicar. Esta é a posição típica de muitos de nós. E é à primeira vista a minha postura sobre a prova que acabei de realizar.

Mas e o que se faz bem? Calamos? Ignoramos? Nem pensar!

Realizou-se hoje a XXVI edição dos 20 Km de Cascais. Prova organizada pelo Centro de Cultura e Desporto do Município de Cascais com o apoio de Câmara Municipal de Cascais e Águas de Cascais, e organização técnica da Xistarca, entidade que depois de vários anos a “organizar” provas atingiu um patamar onde a engrenagem está montada e oleada, de onde resultam de uma forma geral provas regulares, de qualidade satisfatória.

A 26ª edição dos 20 km de Cascais foi hoje mais um exemplo disso.

Com uma prova de 5 Km a realizar-se em simultâneo (Rapidinha) desde há uns anos, este ano a prova reuniu mais de 3000 pessoas a praticar desporto numa manhã soalheira e amena, com cerca de 1400 participantes na prova principal e cerca de 700 na Rapidinha, salientando o facto da inscrição ser gratuita para indivíduos com mais de 65 anos, quer para a prova principal quer para a Rapidinha, considerando pessoalmente o valor da inscrição para os restantes (EUR 6,00) aceitável para o que é oferecido.

Saliento também o medalhão específico para cada uma das provas, assim como a t-shirt, sendo a dos 20 Km com a inscrição do nome de todos os classificados na edição anterior. Negativamente destaco a ausência de bebidas isotónicas, quer nos abastecimentos quer no final, apesar de não ter faltado água, mas para uma prova de 20 km onde o tempo limite é de 2h30m, em minha opinião a bebida isotónica não devia falhar.

A prova decorre num ambiente bastante festivo, onde se promove a participação de mascarados, aproveitando o facto de se realizar no fim-de-semana do Carnaval.

O levantamento de dorsais é feito de forma expedita e eficiente, a partida é dada a horas. Os quilómetros estão marcados, embora não primam pela exactidão. O percurso está muito bem definido, assinalado e o trânsito está completamente cortado. Há abastecimentos em quantidade suficiente. A prova mais curta sai com 5 min de atraso em relação à principal, não havendo qualquer atropelo entre os atletas da frente e os outros, mesmo com a primeira volta por dentro de Cascais. Controlo por chip electrónico. Classificações disponibilizadas rapidamente para os primeiros 1000 atletas chegados.

A beleza do percurso não é item a descurar. Os 20 Km de Cascais proporcionam-nos correr ao lado do mar, o que é de uma beleza singular.

A chegada é também animada, onde se corta a meta dignamente, com fotógrafo e aplausos, e onde há espaço para alongar e retirar o chip.

A entrega de prémios no local é feita também de forma regular.

Recebemos o saco (medalhão e t-shirt) e ficamos satisfeitos com que os 20 km de Cascais nos proporciona mais uma vez. Vontade de voltar, fica sim senhora! Sempre que se possa.

Parabéns a todos os envolvidos que tornaram esta edição em mais uma edição de sucesso.

Ana Pereira

Classificações e informação no site da Xistarca, encarregada da organização técnica da prova
Reportagem fotográfica com milhares de fotos, na AMMA
Algumas fotos de autoria de meu pai, no meu Album do Picasa


Eu e o meu pai:


A minha equipa: Clube do Sargento da Armada:



Com o meu amigo Fernando Oliveira, que se há uns anos me explusou do clube, por razões pessoais e alheias à minha pessoa, consequência de actos e atitudes de terceiros, hoje definitavemente tem uma boa parte da responsabilidade de eu estar aqui, a correr. Por isso... obrigada Fernando:

Já em prova:
A subir:
Os quatro A's: António Almeida, António Bento, António Pinho e... Ana Pereira:






Já a caminho da meta, depois de ter sido rebocada o caminho todo pelos Antónios: o Bento e o Pinho, grandes camaradas e companheiros do princípio ao fim nesta prova:




Que saudades que tinha disto, Pinho!




Os medalhões: dos 20 km e da Rapidinha


F otos de António Melro (meu pai), Orlando e Leonor Duarte, Isabel Almeida e naturalmente da entidade que fim-de-semana após fim-de-semana, sábados e domingos, eterniza momentos, em desportos e modalidades amadoras pouco divulgadas, os quais na maior parte dos casos vingam com escassos apoios e meios, o que os remete para um desconhecimento geral do público e uma quase marginalização, impedindo e dificultando o seu eventual desenvolvimento.



Em eventos vulgares para muitos, mas de certeza muito especiais para muitos outros, que se dispõem quer a organizar, quer a participar nas provas, a lutar vencendo em cada meta cortada, em cada conquista pessoal, está a equipa da AMMA, atenta, de máquina na mão, discretos e sem alarido, com a serenidade e a modéstia de quem sabe perfeitamente o que está a fazer e chega onde está hoje.





A registar o momento, "o nosso" momento. Quantas vezes as palavras não conseguem transmitir o que uma imagem captada "naquele"momento consegue dizer? Obrigada AMMA!
José Gaspar e Carlos Viana Rodrigues, de quem tenho o privilégio de ser Amiga e de ter a sua Amizade



Agora… agora… a minha prova, a corrida por dentro de mim, a correr-me nas veias, nas artérias, a ser bombeada pelo coração, a percorrer os músculos, os órgãos, e entrar e sair deles, a saltar-me pelos poros, pelos olhos, no sorriso, na felicidade e na dor, deixando-me pensar que a dor dá prazer e se foi precisa e propositadamente por isso que não treinei toda a semana que antecedeu a prova.

Reflexões profundas levando-me para lá, para o fundo, onde não há sol, e todas as reflexões são escuras e frias como o mar que nos acompanha ali ao lado, bravo e duro. Implacável. Reflexões aligeiradas pelo apoio incondicional dos Antónios: Pinho e Bento, que me traziam para cima, de novo para a luz, que me acompanharam do início ao fim da prova, durante o longo período em que a minha prova hoje durou: 2h07m46s.

Partimos juntos com o António Almeida, mas o ritmo era de facto muito lento, e sensivelmente ao Km 5, ele foi para a frente, fazer a sua prova, o que apreciei e incentivei.

Pessoalmente não gosto muito que me acompanhem. Faz-me sempre sentir que tenho de andar mais, que estou a empatar, a atrasar os outros. Mas tanto o Bento como o Pinho foram persistentes. Tornaram a prova, uma prova de teimosia, por mais que eu abrandasse, eles não me largaram. Foi um prazer correr com eles, agradeço-lhes a paciência e a força, a força que não se vê mas se dá e se recebe.

Tinha planeado fazer uma prova a 6 min o quilómetro, o que consegui na primeira metade, mas já se está a ver o que aconteceu na segunda. 20 Km são 20 Km. Não se fazem… assim… sem treinos… Tive o que mereci. Sofri. É verdade! Ganhei! É verdade também! Jamais me arrependeria de ter ido.

Encontrar a Vitória e os pais, os amigos, os amigos… um beijo, uma palavra, um olhar, um aceno, o meu pai… a corrida, a vida. Ali, para ser vivida e absorvida. E eu assim fiz. Vivi e absorvi. Cada gota de emoção e de sentimento entranhou-se-me no corpo e pelo olhar foi directo à alma, onde nem sempre é fácil chegar, e onde guardo tesouros.

12 comentários:

Jorge disse...

---------\\\\|/---------
--------(@@)-------
-o--oO--(_)--Ooo-
Olá Aninha, parabéns por mais uma bela corrida compleetada para seu currículo, as medalhas são lindas. Não basta ser pai tem que participar também apoiando a filhota parabéns ao seu pai também. Vejo que nesta corrida vc encontrou vários amigos corredores, pelo visto acho que faltou 1 o Calos Lopes do blog A MINHA CORRIDA, pois ele correu essa também.
É isso ae menina boa semana.
Bjsss

JC
www.jmaratona.blogspot.com

MPaiva disse...

Ana,
Parabéns por mais uma prova concluida e por mais um sumarento relato!

bjs
MPaiva

Carlos Lopes disse...

Parabéns Ana, pela prova é pelo relato magnifico.. Beijo

nota. gostei muito de reencontrar

Anónimo disse...

Excelente relato da manhã de Cascais.
Parabéns pela participação.

Foi bom reencontrarmos a Ana, foi bom correr algum tempo junto da Maria, foi bom ver a dupla "pai/filha" mais uma vez.
Até à próxima que deve ser Tomar.
Beijos e abraços da família Almeida

luis mota disse...

Olá Ana!
Deve ter sido uma excelente corrida.
Concluir 20 quilómetros é de enaltecer. Parabéns!
Luís Mota

JP disse...

Olá, acho que a vi, mas não tinha a certeza. Agora sei que era a Ana, com o seu pai.Já estou melhor, passou aos 14 kms, os sapatos que usei estão ligeiramente apertados, são para distâncias mais curtas e apertei talvez o laço de mais. Coisas de novato. Parabéns pela natureza epicurista da sua prova e nunca pare de escrever. Qual é a sua profissão?

joaquim adelino disse...

Olá amiga Ana.
Com que então ao princípio não lhe ocorria nada para contar!
Que bela história da prova nos descreveu, tanto a sua prova como a que envolveu todo o evento pouco ou nada se esqueceu. As palavras de estímulo e agradecimento à A.M.M.A. são inteiramente merecidos pela trabalho e divulgação que têm feito no âmbito das corridas.
Um abraço.

José Garrido disse...

Ana já nos encontrámos em várias provas, e esta não foi excepção, apresentei-me pessoalmente em Sesimbra, talvez não se recorde, estava com o seu pai, foi para aí há dois anos. Vem isto a propósito do encanto que retiro das suas palavras e considerei que era altura de lhe manifestar a minha profunda admiração, como o fazem outros amantes das corridas e das letras neste seu espaço.
Confesso-lhe que me senti emocionado quando vi o “Melro”de máquina em riste preparado para registar os seus momentos finais. Subia eu em direcção á fortaleza, depois de ter terminado a minha prova, e aquela imagem do “Melro” transportou-me de imediato para um dos retratos mais emotivos que li sobre um pai, um companheiro, um homem que podia ser a história de muitos pais, mas não, é legitimamente a história do “Melro” e a si lhe pertence. Mas permita que eu e muitos mais concerteza desfrutem a estória do seu pai e as suas palavras. Só lhe posso dar os parabéns e desejar que nos encontremos nessa paixão comum que são as corridas e o “Melro” seja sempre motivo de conversa e de regozijo para si , pois para mim, graças a si, ele é um “herói” da vida e das vidas.
Quando numa prova nos cruzarmos irei cumprimentá-los. Pertenço a um grupo de amigos de Almada que são os Amigos do Parque da Paz, se quiser visitar o nosso humilde espaço, um site onde vamos tentando descrever as nossa experiências e acima de tudo divulgar a saúde através da corrida na naquele espaço pode fazê-lo numa busca na internet através do nome do clube.
José Garrido

Maria Sem Frio Nem Casa disse...

A todos: agradeço a visita e os comentários.

Ao José Garrido: lembro-me muito bem, em Sesimbra pois! Até fiquei com a sensação que lhe liguei muito pouco, mas tinha acabado a prova, não estava nas melhores condições físicas e ... depois, por timidez e insegurança, não sou assim dada a grandes manifestações. Mas recordo-me bem de si. De si, salvo seja, porque um dos vários problemas, se é que isto é um problema, é que a memória visual para rostos... é muito fraquita. Depois desta "conversa" posso passar por si na próxima prova e não o vou reconhecer. Por favor diga-nos "olá". Por vezes já devo ter sido julgada de mal-educada, ou alguém com a mania da superioridade, por não falar a pessoas que já se me apresentaram, mas eu simplesmente não me recordo dos rostos, não os identifico facilmente com a pessoa, que aqui escreve, que me visita, que me acena e me dá palavras de ânimo nas provas... às vezes até sinto vergonha, de não falar a alguém que deveria ja conhecer. Preciso de repetir algumas vezes esses "encontros" para então fixar a pessoa/rosto. Por isso lhe peço, próxima vez diga: Sou o Garrido, e eu agradeço e terei muito gosto em apertar-lhe a mão.

JP: pois, um sapato demasiado apertado estrangula veias e artérias, impedindo a circulação. ainda bem que foi só isso... A minha profissão: assitente comercial, administrativa, secretária, etc... se é que se pode resumir assim...

Aos outros amigos que aqui deixaram palavras: o meu obrigada, são importantes.

Até breve com certeza!

Ana Pereira

Anónimo disse...

Olá Ana, boa noite
Parabéns por ter concluido mais uma prova, 20 km de Cascais Ana quanto há prova que fizemos do principio ao fim, incluindo o Antonio Bento, onde tive muito prazer em conhece-lo, foi um verdadeiro companheiro,
devo dizer-lhe que tive muito prazer em ter feito esta prova consigo, se fosse sózinho talvez não fizesse melhor, também me esforçei para a acompanhar, o Bento é que ia na boa.
Ana, não se esqueça que já fui arrastado algumas vezes por si para chegar á meta.
bjs
Antonio Pinho

Fernando Andrade. disse...

Olá, Ana

Bom saber que a falta de preparação não a impediu de estar presente na Festa. Há sempre uma motivação extra que nos leva onde gostamos de estar e onde encontramos gente amiga que nos faz sentir bem. Pelo relato e pelas fotos, houve boa disposição e companheirismo, que são merecedoras do maior realce.
Beijinho.
FA

Cris Folgar disse...

Que paisagem !! Correr ao lado do mar...apesar dos 20km, ufa! Parabéns Ana!!