Pesquisar neste blogue

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

S. Silvestre Cidade do Porto Liberty Seguros 2017 em 30 minutos

30 de Dezembro de 2017 - 24ª S. Silvestre Cidade do Porto


30 minutos para ver, recordar, e ter já vontade de voltar!


30 de Dezembro de 2018 estamos lá para as bodas de prata ?



domingo, 14 de janeiro de 2018

Correr é preciso

Pelos últimos dia que passo com 48 anos, a vida tem passado assim, a Correr como sempre, com um foco, um único foco! 

Luz orientadora, como um farol avistado do mar em noite de violenta tempestade e a tua embarcação ameaça render-se e sucumbir. Um foco. Uma luz. Uma orientação. E uma missão! Todos temos de a ter para não navegarmos à deriva nem naufragarmos. Por mais apetecível, fácil e tentador que fosse deixarmo-nos abraçar e levar, rendidos e vencidos por alguma vaga mais forte, e nos deixarmos por fim levar ao fundo do mar onde finalmente repousaríamos nossos corpos cansados de lutar, junto dos náufragos e dos tesouros sempre inúteis, mas há que lutar. Porque é preciso.E porque vale sempre a pena!

Há uma missão, que esforço-me por cumprir. A cria e os dependentes. Criá-la, alimentá-la, dar-lhe todas as condições para se tornar num ser independente, autónomo, forte e feliz. E no entretanto dar-lhe as melhores experiências, transmitindo valores e disfarçar algumas dificuldades, fraquezas, limitações, medos. Como se fosse possível. Felizmente ela sabe que sou humana. Mas preciso também fortalecer-me para conseguir continuar a levar o barco a bom porto. Mantê-lo à superfície e direitinho na rota, entre vagas gigantes, chuva e vento forte e trovoadas mais ou menos medonhas. Para ser e também fazer os outros felizes nesta viagem que é a Vida.

Por isso, Correr é preciso! É preciso! Como respirar ou beber água. Correr, é simplemente, preciso! Preciso! De outra forma, definho e naufrago. E a Corrida fortale-me! 

Gosto de pisar a terra molhada, cheirá-la, inebriar-me nos odores de Inverno, enquanto ilusoriamente vagueio em passos de Corrida, sem destino e sem tempo. A lama, a terra, de onde vim e para onde vou, o verde, as plantas, os insectos e as aves, a chuva, o Sol e o arco-irís a envolver-me. A Vida. Corro. Enquanto corro, fortaleço-me. Para toda a restante Vida que há em mim e suas inúmeras vertentes.  

A dose do fim de semana:

Sábado: 5,8 Km - Corrida lenta intercalada com Caminhada, na melhor das companhias (com a cria) - para ver aqui

Domingo: 7 Km em passo de Corrida que não parecia tão lenta, mas foi. Muito lenta até, afinal! Ah...não venham de seguida as justificações, as desculpas nem os lamentos, foi isto e ponto! - a ver aqui







segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Caminhada entre Fortes


Foto de Américo Guerreiro

Caminhada entre Fortes - 7 de Janeiro de 2018
Podia ser outra forma qualquer, a de preencher grande parte deste dia. Mas não. Foi esta!

Caminhar entre Fortes e amigos. Com partida às 9 da manhã junto ao Forte do Alqueidão, passagem pelo Forte da Carvalha e pelo Moinho do Céu, a 320 m de altitude e regresso ao ponto de partida, em circuito circular.

Deu coisa para 21,850 Km, com 750 m de altimetria, e o percurso pode ser visto aqui 
Organização de Rotas e Trilhos, guiada pelo Helder Carvalho, a custo zero para os cerca de 30 participantes que se atreveram, caminharam e venceram. 

Muito vento, alguma lama, aldeias e casas e cães. E cavalos, e javalis (era só um mas pronto), e perdizes e vacas.

Podia ser outra forma qualquer pois podia. Mas esta foi inequivocamente a melhor que podia escolher para passar este dia até às 3 da tarde.

Um agradecimento especial ao nosso guia Hélder Carvalho e também à Rota e Trilhos.


Javali, por Américo Guerreiro

Foto pelo nosso guia Helder Carvalho
Foto pelo nosso guia Helder Carvalho

Pedizes, por Américo Guerreiro
Foto de Helder Carvalho

Cavalo, por Américo Guerreiro

Lama e gente, por Américo Guerreiro
O meu pequeno album de registo fotográfico, pode ser visto aqui

Mais fotos, por Helder Carvalho, ver aqui

E por Amércio Guerreiro, ver aqui

Um cheirinho do que foram estas quase 6 horas de Caminhada, contemplação, reflexão, deslumbre e convívio:
Foto de Halder Carvalho


Foto pelo nosso guia Helder Carvalho


Foto pelo nosso guia Helder Carvalho
 
Foto pelo nosso guia Helder Carvalho




Foto pelo nosso guia Helder Carvalho

Foto pelo nosso guia Helder Carvalho

Foto de Américo Guerreiro

Foto de Américo Guerreiro

sábado, 6 de janeiro de 2018

Estórias que as casas nos contam


As janelas

As janelas permanecem fechadas desde aquele dia. Antes disso, todos os dias pelas cinco da tarde o menino assomava à janela e em bicos de pés encostava a testa à vidraça para ver o pai chegar. O cão, um São Bernardo imponente acompanhava-o sempre. Até àquele dia, em que assistiram ambos ao assassinato do pai, ali mesmo em frente à casa, na estrada. Os gritos do menino e o ladrar enlouquecido do cão ouviram-se pela casa toda, que desde esse dia mantém as janelas e as portadas fechadas. Diz, quem lá passa em certos dias precisamente às cinco da tarde, ainda ouvir os gritos desesperados do menino e o ladrar enraivecido do cão.



Mensagem rápida de Ano Novo

2018

Corre! À tua medida, à tua maneira. Dentro do que podes. E podes mais do que julgas, garanto-te! 

Hoje foram 8 Km em 47min, no campo, que é onde mais gosto de correr. Nascem planos e sonhos no coração, crescem desmesuradamente enquanto corro. Segue-se fazê-los passar pela cabeça e depois trabalhar para e por eles. Para e por mim!