Pesquisar neste blogue

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

A gota de água e ... o 1º treino

"Às cinco e cinquenta e cinco da manhã já estava no Parque da Paz! Corri sessenta minutos!"

A voz soou-lhe fresca, límpida e fresca, e a mensagem pareceu-lhe familiar. Desperta e arrancada da história do livro que lia e no qual mergulhara assim que se sentara, ela levantou os olhos involuntariamente e vi-o. Olhos castanhos bonitos, um corpo agradável e visivelmente em forma embora escondido sob a roupa de inverno.

Se fosse noutros tempos, ela sentir-se-ia especial. As pessoas que os rodeavam dentro do barco, com as habituais caras enfadonhas matinais, desapareceriam como se por magia e ela juntamente com ele e o interlocutor deste – que pelo decorrer da conversa se veio a verificar que também corria – imergiriam num mundo à parte. Um clã a que os três pertenciam. Um mundo à parte dos comuns mortais que os unia e os tornava especiais: o mundo da Corrida! Ela sorriria e a viagem perder-se-ia no tempo e falariam Dela (Corrida) sem parar.

Mas hoje ela sabe que isso não passaria de pura ilusão. Por mais que queiramos manter uma imagem imaculada dos cidadãos que correm, como se de um clã se tratasse, de um mundo superior, onde os sentimentos, as intenções e acções são puros e altruístas, isso não se verifica.
Não há na maior parte dos casos uma paridade ou semelhança sequer, na atitude da pessoas nas outras áreas da sua vida. As pessoas são por demais diferentes. E só o facto em si, de partilharem uma paixão, não é de todo suficiente para atingirem outro estatuto na vida do outro.

Há a Corrida e há muito mais. Se há uns tempos atrás ela diria que a corrida são rios formando o Oceano, imenso e grandioso como só ele, hoje ela sabe que a Corrida não é mais que uma gota de água na vida de uma pessoa.
No entanto, não deixa também de ser verdade que cada gota de água na vida das pessoas pode fazer toda a diferença… e há até quem diga que "a gota de água" faz transbordar o balde, tal é a sua importância...

Depois destas rápidas reflexões que não lhe demoraram mais que um milésimo de segundo, quase tão rápido como tinha levantado os olhos, ela baixou-os e retomou a leitura. Até à outra margem.

À noite, quando chegou a casa...


O 1º Treino
Equipo-me e saio para a rua para correr. Corri. Foi o 1º treino. Não, não estou a recomeçar, o que eu estou é mesmo a começar. É que pela primeira vez na minha vida, vejo-me a escassos dias da bonita idade de 40 anos, vejo-me com um peso excessivo (mais do que é costume) e vejo-me com largos meses de inactividade física minimamente regular. Por isso, não estou a recomeçar nada! Estou mesmo é a começar. Começar a correr, assim, como me é possível nas circunstâncias que a vida me proporciona hoje e naquelas que consigo criar.

E assim corri. 43 minutos consecutivos de corrida muito lenta em piso plano.

O que me custou bastante ou que não gostei:

- Vencer a inércia, equipar-me e sair para a rua decidida;
- Respirar;
- Levantar os pés do chão;
- Sentir várias partes do corpo balançarem balofas, pelo facto da sua composição actual ser essencialmente gordura;
- Das várias dores de burro (burra neste caso) e vários espasmos a nível do abdómen;
- Do vento frio inicial;
- Da sede;
- Da água gelada que estava no carro (à temperatura ambiente, mas o ambiente era gelado! - claro que estou a exagerar... estavam uns amenos 8ºC o que não é nada por aí além tendo em conta o lugar e a época)

O que me deu prazer ou que gostei particularmente:

- Ter vencido a inércia, equipar-me e sair para a rua decidida;
- Sentir o ar fresco no rosto;
- Sentir-me livre;
- Ter trazido uma garrafa de água que me esperava no carro no fim do treino;
- Voltar a sentir-me confiante e …poderosa!

Nada disto é de admirar… Depois deste treino, digo para mim mesma que não vou mais abandonar a Corrida (afinal ela nunca me abandonou), mas também não posso dizer que conseguirei participar no Grande Prémio Fim da Europa, a 25 de Janeiro, de forma a conseguir ter mais prazer do que sofrimento, e se não for dessa forma, não tem razão de ser. Não sei…Veremos.

Para enfrentar o Inverno, treino com Gorro, luvas, corta-vento e ... força de vontade:




Até amanhã ... ou depois... querido diário

12 comentários:

MPaiva disse...

"Toda a grande caminhada começa com pequenos passos".

Força!

bjs
MPaiva

Fernando Andrade. disse...

YESSSSSS!
Essa é a Ana .
Num recomeço que se saúda. Digo "recomeço" sim porque existe um passado de corrida que não pode ser negado e cujos efeitos virão ao de cima rapidamente.
Que o "Fim da Europa" seja o "Emergir da Ana".
Grande beijinho .
FA

Anónimo disse...

Aleluia!!!! Ela vem aí!!!!!!
Finalmente teremos a nossa "musa fotográfica" em acção. E lá teremos de ir ao Fim da Europa para registar o momento.....

Bjs

Zen disse...

Olá Ana.

Nos homens é que existe a "crise dos 40" ( foi forte, confesso), nas mulheres, julgo ( julgo) que será a idade da autonomia, confiança e preocupação mais com assuntos da alma do que com os do corpo. Penso ( penso) que é isto que nos queres dizer neste post.

A vida é um eterno (re) começo ( as vezes cansa sobretudo quando deixamos as coisas a meio).

BOM ANO.

Até ( julgo e penso) ao GP Fim da Europa ( que não será certamente o " fim do mundo", antes o começo de outro qualquer).

Bjs

Anónimo disse...

Ah ganda Ana, grande início de 2009. parabéns pelo recomeço (afinal, não recomeçamos todos os dias?) e força nesses treinos.
um dia de cada vez e o fim da Europa será mais um reinício.
Bjinho
ab - tartaruga

José Capela disse...

Ana,

Vamos lá...43 minutos é muito bom...aliás até 20 é bom...sempre melhor que nada!

Como sabes cá pelo norte e em particular aqui na zona do Vale do Ave nesta época faz muito frio!

E sabes, dá-me muito gozo...mesmo muito...correr com os termómetros a não exceder os zero graus...depois de uns minutos fica-se quentinho...olha-se para a lua e até parece que o mundo é mais bonito...as pessoas olham para os os 'tais malucos' que vão correr de lado...é que as pessoas ouviram na televisão a protecção civil a dizer qye não se deve azer actividades físicas intensas..blá...blá...e eu adoro correr à chuva...e com muito frio...porque prefiro ser maluco...é que é muito mais interessante... ter juízo é muito cómodo...e não me apetece!!!

Beijos

José Capela

joaquim adelino disse...

"Saudade... doce poema
que ninguém entendeu.
Vontade de ter de novo
aquilo que se perdeu"

Que não se lhe acabe, a força, o carácter e a alegria de viver.
Um beijinho.

Anónimo disse...

Ainda que seja uma ilusão (e de facto é) que formamos uma clã, blá, blá, ... não é que fiquei feliz por saber que a "Maria" voltou a correr...
Continuação e, como sabes (será que sabes?) gosto muito de passar por aqui, gosto de ler o que escreves mesmo quando não corres.
Força "Maria" e um beijo para ti "Ana",
António

Fátima disse...

Ana é assim mesmo, em força e confiante. Eu, como sabes, também vou fazer 40 anos e por muito que digam que ficamos iguais...é mentira, tudo muda. Embora lá Maria!!! Eu também recomecei á algum tempo. Beijocas grandes
Bons treinos e melhores corridas!!
Fátima

Duarte Gregório disse...

Importante é vencer a inércia e ir para a estrada, depois tudo fica mais fácil.

arturodrigues disse...

FORÇA ANA.
ESTAREI ATENTO A ESSE "COMEÇO"

FORÇA NAS CANETAS E CORRA ATE AO "FIM DA EUROPA "..QUE SEJA A "1ª"DE MUITAS.
BJS
ArtuRodrigues

BritoRunner disse...

Força Ana, para começar (ou recomeçar)a prova não é das mais suaves existem outras opções, eu também estava a pensar em realizar a prova do fim da europa mas vou optar por outras mais cutas.
Bons Treinos
JCBrito