Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 13 de junho de 2013

A II Prova do Sal


Correu-se a II Prova do Sal, em Alcochete, no passado domingo 9 de Junho de 2013.

Organizada pela Associação Alcochete Aktivo, a Prova teve cerca de 170 particpantes a cortar a meta depois de 10 Km corridos.

Este ano com percurso melhorado, a prova saiu da Praia dos Moinhos, percorreu uns metros no areal e enveredou pelas Salinas para aos 4km e tal voltar ao areal junto ao Tejo, desaguando o carreiro de atletas na Praia das Bruxas para seguir então rio abaixo até ao Samouco, onde retornou para se correr agora em direcção à Meta, sempre ao lado do Tejo, om os pés dentro deste para então se cortar a meta no local onde se partiu, na Praia dos Moinhos.

A Prova mantém o seu bem receber e tratar, tal como no ano passado aquando da sua 1ª edição.

Dorsais entregues num secretriado montado mesmo ali na praia. Recebe-se o dorsal e uma t-shirt técnica.

Há um animado aquecimento proporcionado pela organização e impulsionado por animadores que incitavam a exercícios de alongamento e outros, sempre ao som da música que anima e toda a praia é um bom local para aquecimento.

A Partida é dada a horas sob papagaios usados no Kite-surf, modalidade praticada pela Associação Alcochete Aktivo, agora segurados por mãos humanas que os levantam alto e a fazerem deste pórtico da Partida o mais caloroso e humano que já alguma vez atravessei.

Pelo caminho, bem sinalizado, encontram-se membros da organização e no retorno é dada água em copo de plástico para "obrigatoriamente" ali ser deixado e não vermos depois garrafas de plástico pela praia fora e pelo rio abaixo.

É-nos dado no returno, um "colar" com uma conchinha pintada à mão no seu interior, objecto que servirá para controlo também, para além da recordação e do seu simbolismo. Tudo preparado manualmente pela organização e seus familiares, sentido-se perfeitamente esse ambiente familiar.

Na meta somos incentivados e todos são recebidos com carinho, gratidão e respeito. Há água e fruta à discrição, sacos de sal e ainda pastilhas elásticas!

As classificações foram algo morosas e houve mesmos uns erros, entretanto assumidos e corrigidos no próprio local.


A prova teve um valor de inscrição de EUR 8,00

Um blogue de apoio e divulgação: o Prova do Sal - Alcochete, onde as classificações foram disponibilizadas com brevidade.

A Prova do Sal, pelas suas características, quer no meio em que decorre, quer pela forma como a organização prima em bem tratar e "acarinhar" o atleta, é uma prova "com muito sal" que adoptei desde o seu nascimento, que continuo a recomendar e onde faço sempre intenção de voltar.

Para ser melhor, só faltaram os flamingos, que por ali andam tantas vezes e os caranguejos irrequietos que em grande número correram a prova connosco no ano passado.Em substituição tivemos um burrito que acho que só não nos acompanhou porque estava preso por uma corda.

Está assim a Associação Alcochete Aktivo de Parabéns, assim como todos os interveninetes que só com o seu trabalho, dedicação e empenho conseguiram outra vez pôr esta Prova de pé e proporcionar uma manhã magnífica a quase 2 centenas de atletas.

Para o ano quero voltar!

Em termos classificativos:

Masculinos:

1º Paulo Marques, do Clube Paças da Armada, com 37m40s
2º Mário Jorge Ferreira, do Garmin - C.O. Oeiras, com 37m41s
3º Luís Feiteira, individual, com 37m42s

Femininos:

1ª Cristina Ponte, do Offtel Runners, com 42m37s
2ª Cármen Henriques, do do Clube Paças da Armada, com 49m09s
3ª Cristina Guerreiro, das Lebres do Sado, com 49m30s

Deixo aqui mais algumas imagens, mas para ter uma melhor noção do que a II Prova do Sal foi, o melhor é visitar o blogue, onde estão referidos todos os albuns de fotos que poderão ser visitados.

Aquecimento e alongamentos antes da partida:


A Partida sob os papagaios:
Nas salinas:
 À chegada:


Perto da meta:

O "colar" com a conchinha:




Agora, para reflectir...ou não:
A penetra

The "Pink woman" - não inscrita mas achou que podia muito bem usufruir de toda a prova e do trabalho da organização: do percurso, do ambiente, da companhia dos atletas e da água no retorno e até da conchinha! Não está mal? Não faz mal? Não incomoda nem prejudica ninguém, dirão alguns face à simpatia e imagem agradável da moça?! E à primeira vista até parece ser essa a postura diplomaticamente correcta: afinal para além de uma conchinha e de um golo de água, a rapariga não se aproveitou de mais nada que não lhe pertencesse. Afinal a praia é livre, não é? E então e se todos fizessémos isso? Afinal sempre se poupava 8 euros... Pensem nisso. Na opinião desta Maria, que outrora, num passado longínquo, achava essa situação aceitável desde que não se utilizasse absolutamente nada do que a Organização oferece (o que logo à partida é impossível, pois há sempre a companhia e o ambiente, para além de percursos marcados e segurança relativa a trânsito), hoje, considera uma total e descarada falta de respeito quer pela entidade organizadora quer pelos participantes que se inscreveram e pagaram. Falta de respeito. Nada de novo, portanto...

 
Até depois querido diário

18 comentários:

JoaoLima disse...

Concordo inteiramente contigo com a parte da penetra. Temos que salvaguardar um grande bem que temos e que são as nossas corridas.
Sempre que digo isto, ouço diversas pessoas perguntarem "e quem é que nunca fez isso?". Olha, eu nunca!

Beijinhos e boas corridas

Marcelo Barbosa Araújo disse...

Muito legal. A corrida parece ter sido bem divertida. Boas corridas, moça!

Jose Xavier disse...

Olá Ana,

Afinal estas provas, pacatas, e feitas de coisas tão simples são tão importantes. É bom disfrutar destes locais, e dar apoio a quem organiza estas provas.

Muito bem....

beijinhos dos Xavieres

Sérgio Rodelo disse...

Muito fixe a narrativa da prova, deu para relembrar os bons momentos que passei nessa manhã de Domingo.

Pedro Carvalho disse...

Gostei de ler, acho que vou ter em conta no próximo ano. Estas provas ditas "familiares" começam-me a interessar cada vez mais, ainda por cima com um percurso diferente do que estamos habituados.
Quanto à penetra, infelizmente temos que viver com isso. Tal como o João diz nunca o fiz, nem penso fazê-lo.

Beijos!!!

Andreia Marques disse...

Pois, tenho imensos amigos que dizem "eu não pago para correr" ou "a rua é de todos, ou não?" Talvez em grandes provas organizadas dentro da cidade essa afirmação faça algum sentido. Nesta prova, com um percurso restrito em todo o ano, não. Cada um com a sua consciência...

Fernando Andrade. disse...

Muita pena tenho eu de não ter podido ir a esta Prova. É diferente, disputada num cenário muito agradável e adivinhava-se que a Organização, estaria - como esteve - à altura.
Pelo que ouvi, merece os nossos Parabéns.
Quanto aos penetras...de facto, têm toda a liberdade para correr na via pública, mas nos eventos espontâneos em que todos beneficiam das mesmas condições e todos estão isentos de taxas de inscrição, como nos Treinos Lunares, por exemplo. Nas provas licenciadas há que respeitar não só a organização que promove o evento em determinadas condições, como os atletas que pagaram a taxa de inscrição devida. Faltar a isto é infringir o princípio da igualdade. Quer correr? Pois que vá correr para outro lado, ou que corra ali mesmo, mas noutra hora.

Paula Almeida disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
RUN BABY RUN disse...

Acho muito curioso o "método" de controlo: o colar da conchinha. Original e bonito, qual algum simbolismo.

Quanto à penetra: considero uma tremenda falta de respeito quer pelos participantes quer pelos organizadores das provas.

Boas corridas!

Jorge Branco disse...

Cada fez gosto mais destas provas simples e feitas com amor!
Também concordo com a parte da penetra embora ainda possa admitir que seja possível fazer parte de uma prova em treino mas isto não usando os abastecimentos da prova.
Mas falo de parte de uma prova e não da totalidade da mesma.
Mas claro que estarão sempre a usufruir do ambiente, da segurança etc.
Em mais de 30 anos de ligação com a corrida só uma vez fiz uma pequena parte de uma prova em treino foi na Corrida do Tejo e entrei nela em Algés, vindo de um treino, longo e saía no Alto da Boa Viagem (nessa época aprova não começava na marginal).
Beijinho

Anónimo disse...

Olá Ana,

Tens razão em tudo o que dizes...embora também já tenha feito algo parecido numa prova junto ao Tejo...mas não fiz o percurso todo. Parti antes da prova começar e quando senti que os primeiros atletas se estavam a aproximar acabei por ir correr para o passeio e devagar. Assim não atrapalhei nem enganei a organização ou outros atletas inscritos. Também acabei por assistir à prova de uma maneira diferente e incentivei muitos
atletas meus conhecidos que corriam.
Quanto à Pink Woman, embora tenha corrido "infiltrada" não julgo que esteja consciente de ter feito algo que afectasse a organização. Levou a conchinha sim, mas não cortou a meta nem aceitou qualquer água ou bocados de banana ou de laranja que eu próprio lhe fui oferecer. Acompanhei-a no último km e pareceu-me um pessoa muito simpática e outra coisa, ela começou a correr apenas à dois meses por isso, julgo que não tenha pensado sequer em enganar alguém...talvez tenha até sido esta a sua primeira corrida "a sério" que fez. Para o ano acredito que se inscreverá nesta prova como todos os restantes participantes.

Bjs Ana,
Fernando Sousa

Carlos Cardoso disse...

Olá Ana, bela prova essa...pela diferença. Gostei.
Concordo a 100% com a tua opinião em relação à penetra (e todos os outros penetras que andam por aí). As organizações das provas lutam com dificuldades para organizar as provas, se agora todos fossem fazer o que esta senhora fez, não haveria provas. Eu nunca o fiz e não o farei. Uma pessoa tem tanto sitio por onde pode correr se não quiser pagar.
Beijinhos e boas corridas

Corre como uma menina disse...

Deve ser agradável esta prova em ambiente familiar, o pormenor da concha está muito engraçado. E num local bonito, que conheço bem!

Beijinhos

Fernando disse...

Agora com a identidade correcta :)
Boa noite Ana,
obrigado por mais este relato apaixonante. Fico aliviado em saber que a prova foi ao encontro das expectativas, talvez em 2014 os carangueijos voltem e os flamingos decidam mostrar-se.
Quanto aos carangueijos, desconfio que a "sobrepesca" tenha chacinado a maioria da população, uma vez que é muito popular para uso enquanto isco. Os flamingos este ano refugiaram-se noutras bandas. Há um mês atrás ainda aqui se encontravam mas com as chuvas desapareceram.
O meu segundo agradecimento vai no seguimento da parte final do texto. Estive a analisar as fotografias e confesso que não imaginava que tal acontecesse em provas ditas "familiares", onde acabamos por ficar a conhecer a grande maioria dos atletas. Como estamos sempre a aprender, só tenho a agradecer a tua chamada de atenção e por isso irá haver uma preocupação adicional para o ano. Estou de acordo com o manifestado pelo Fernando Andrade: querem correr, façam-no noutra altura.

S* disse...

ahahah Essa situação da penetra fez-me rir!!

Zen disse...

Que belo espaço para correr! Faz parte de uma das mais "polémicas" "reservas naturais" ( a do estuário do Tejo)e uma das mais biodiversas e ameaçadas pelos "patos bravos" de duas pernas. Tenho sempre a ideia que cada vez que usufruíssemos de uma espaço natural, as organizações deviam elucidar os participantes acerca das suas valências e dos cuidados ambientais a ter. Não sei se isso aconteceu, mas para já o importante foi a oportunidade de fruir do espaço. A natureza é cada vez mais palco de eventos desportivos. Espero que isso nos consciencialize para a importância de preservar, valorizar e promover nossa maior riqueza nacional ( temos um património natural único). A Miss Pink, recordou-me a dissimulada e astuta "pink panther" :-)mas numa versão mais nacional de "chica esperice". Bjs

Sandra disse...

Adorei a tua narrativa! Fiquei com vontade de me inscrever nessa prova para a próxima, sim! Concordo contigo em relação à penetra. É uma completa falta de respeito, civismo, desportivismo, enfim... atitude reprovável, 200 %! Ninguém a impede de correr na praia, é óbvio, agora não tem de ir junto com os inscritos, aproveitando para surripiar ilicitamente a água, a concha, enfim... não é corredora, essa menina. Há comportamentos e códigos de conduta que todos nós assumimos, e ela não pertence claramente ao "nosso" grupo. é como aquele pessoal que arrepia caminho nas provas... enfim, sabes, são dignos de pena...
Beijinhos, amiga :)

Sandra disse...

Adorei a tua narrativa! Fiquei com vontade de me inscrever nessa prova para a próxima, sim! Concordo contigo em relação à penetra. É uma completa falta de respeito, civismo, desportivismo, enfim... atitude reprovável, 200 %! Ninguém a impede de correr na praia, é óbvio, agora não tem de ir junto com os inscritos, aproveitando para surripiar ilicitamente a água, a concha, enfim... não é corredora, essa menina. Há comportamentos e códigos de conduta que todos nós assumimos, e ela não pertence claramente ao "nosso" grupo. é como aquele pessoal que arrepia caminho nas provas... enfim, sabes, são dignos de pena...
Beijinhos, amiga :)