Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 16 de abril de 2007

Não sei se foi da escolha da hora (14:00hrs e um sol escaldante a fazer lembrar o Verão), se do cansaço da prova da véspera e treino da antevéspera sem ter havido recuperação neste corpo agora pouco habituado a correr, se ainda de me andar a alimentar de forma inadequada (muito e mal), ou ainda do facto de estar gorda que nem um porco pronto para a matança, o que é certo é que o treino que se pretendia de duração mínima 1 hora, acabou aos 40 minutos com cessação do passo de corrida para dar lugar ao de caminhada.

Ao caminhar os braços tendem a baixar e as mãos a inchar, pelo que instintivamente levei as mãos à cintura enquanto caminhava. Oh céus! Que é isto? Um pneu a toda a volta da cintura. E é dos bons, largos, daqueles que dão estabilidade aos carros e os agarram à estrada. Agora sim, percebo porque corro assim: agarrada à estrada.

Para agravar a situação, não me posso pesar pois a balança deu o berro. Mas só serviria para me dizer que já vou nos 60 e muitos. Resta saber quanto é “os muitos”.

Li algures que “Só não consegue quem desiste”. E de facto assim é. E uma das principais causas para a desistência (nas mais vastas áreas) é o facto de se querer obter resultados fácil e rapidamente. Ora como raramente isso se consegue, há a tendência para a desistência, pela facilidade e comodismo que isso representa.

Ora, tanto a perda de peso como o melhoramento da forma física e consequente facilidade de corrida são dois bons exemplos em que a teoria anterior se aplica.

Por isso aqui deixo a minha barriga. Tal qual ela é hoje. Sem vergonha ou pudor. E se ela está assim é única e exclusivamente responsabilidade minha, consequência da falta de exercício físico e de inúmeros ataques vorazes à mais calórica comida existente nas proximidades.

Não falarei mais na minha barriga, ou coxas, ou sequer no peso do rabo quando corro. Daqui a um mês (16.05.2007) voltarei a focar de perto este “assunto”.

4 comentários:

Anónimo disse...

Oi Ana,

Não te envergonhes dos teus belos pneus pois tomara muitas mulheres poderem apresentar assim a barriguinha. Acho que está "apetitosa" e por vezes, ter uma boa aderência à estrada não é assim tão mau. Olha eu por exemplo, ando sempre a derrapar...e por vezes acabo por me despistar e ficar cheio de mazelas. Porquê? Muito simples, os meus pneus estão "carecas"! Mas não faz mal pois umas boas curvas até me elevam a adrenalina.

O "Careca"

Jackelyne disse...

Oi Aninha!
Porque será que nós mulheres somos tão desesperadas com nossa aparência não é mesmo?
Muitas vezes, pessoas que estão ao nosso lado acham que estamos ótimas, mas só nós sabemos o que nos incomoda.
Eu também estou na luta contra a balança, pois como disse, engordei muitoooo na minha gravidez...
Fique tranquila, que se formos fiéis aos nosso propósitos conseguiremos atingir nossos objetivos!!!
Não esqueça.. torço por você! E lembre-se, bons resultados requer sacríficios..

Um super beijo!

Lénia disse...

Olá Ana,

Eu acho que essa barriguinha está esplêndida. Não queiras ver a minha, que já se começou a estender para os lados.
E claro, não se vai ao lugar com corridas de 30 e 40'. Pelo menos no meu caso.
Tenho de fazer um post semelhante a este , para não te sentires sozinha no mundo das corredoras com barriguinha.
Beijinhos e bons treinos.

ana paula pinto disse...

Olá Ana

Também acho que isso de barriga deve ser exagero...bem, uns queixam-se de quilitos a mais outros de quilitos a menos...vá-se lá entender!!
Brincadeira à parte quero agradecer o saco e a t-shirt. Penso que a "jovem atletinha" já o fez em meu nome, de qualquer modo, fica aqui o meu "obrigada". Sensibilizou-me o gesto. Fiquei com duas t-shirts. Se quiseres de volta metade do "prémio"... :))

Tem um bom dia,
Paula