Pesquisar neste blogue

sábado, 29 de setembro de 2012

UHF

Início dos anos 80. Costa da Caparica. Duas miúdas. 14 anos de idade. Esperam ansiosas e excitadas. A emoção é enorme e a liberdade concedida ultrapassa todas as expectativas e o sonho está prestes a realizar-se. É uma incerteza porém. Elas são só duas miúdas e eles, os ídolos, famosos e lindos e ocupados. Podem nem aparecer. Elas esperam porém. Pacientes, seguras e firmes. Nada as arredaria dali. Junto à Lota, em frente ao apartamento onde o grupo tinha um estúdio.

Não houve cigarros para descontrair, nem ganzas ou outras drogas. Apenas elas. Com a suficiente e gratificante excitação de quem ia ter (ou não) a possibilidade de ver os ídolos, ali, ao vivo e de perto, em ambiente calmo, longe dos palcos, dos concertos e da fama. Ali, na terra deles, como se fossem pessoas normais, iguais a elas.

Falaram, riram, comeram o lanche trazido de casa, confidenciaram segredos que eram já poucos entre elas e aguardaram sem arredar pé.

Por fim avistaram-no. Um deles. O principal para ela, o mais admirado, amado e idolatrado. Deus em terra, ídolo de carne e osso a poucos metros delas. Não sabiam o que iria acontecer. Abordaram-no, foram bem recebidas com simpatia e à vontade e subiram ao estúdio. Homem feito e duas miúdas de catorze anos num andar fechado de uma torre alta a ver o mar. Perigo eminente, ingenuidade e aventura, deleite emocional (sabem o que é ter 14 anos, ter um ídolo e estar a 1 metro dele a conversar como pessoas normais?) O rapaz, já homem feito, era mesmo um Homem na altura e portou-se como tal. Conversou, tocou viola e cantou para elas uma breve melodia, mostrou-lhes fotos, falou disto e daquilo à pressa e por fim convidou-as a despedirem-se pois tinha de ir a qualquer lado.

Alguém imagina como aquelas miúdas saíram dali?!

Muito para além do vulgar "nas nuvens". Muito para além do "felizes e extasiadas". Muito para além do que quaisquer palavras que hoje consiga encontrar possam descrever.

Aquele dia ficou gravado para sempre naquelas miúdas. A partilha da espera ansiosa, a partilha do momento mais íntimo com o ídolo. Partilha gravada na pele e na alma destas miúdas, Pelo menos nesta. Gravada até hoje de forma inabalável e preciosa.

E hoje, quase trinta anos depois vai ouvi-los de novo. Ao vivo. Em ambiente intimista. Acompanhada do seu homem, entre copos de cerveja e fumo de cigarro, quase trinta anos depois, de brilho nos olhos, constata que está tudo lá! Lá! Vivo! Dentro dela a fazê-la viajar, sentir e viver! Viver melhor esta única vida que ela tem.

Obrigada António Manuel Ribeiro por continuares a manter bem vivo o som e a mensagem UHF, e por continuares a nos proporcionar magníficas Noites Lisboetas como esta que foi a de 27 de Setembro de 2012 no Teatro do Bairro.




Desculpem a qualidade ou antes a falta dela, mas bom bom bom mesmo, foi estar lá!  

5 comentários:

Joana disse...

Imagino como deve ter sido bom, eu também já tive a oportunidade de assistir a concertos dos meus ídolos ;)

Beijinhos e bom fim-de-semana :D

diamantino disse...

:)

Anónimo disse...

Bonito. Uma história muito parecida, no masculino também por cá anda.
Saudações musicais

Paulo Inácio

S* disse...

Estou a ver que eram mesmo fãs. :D

Corredora Feliz disse...

Acompanhar aos ídolos, é uma sensação sem igual. Muito lindo o post.
Beijos