Pesquisar neste blogue

domingo, 9 de setembro de 2012

A 36ª Meia Maratona de S.João das Lampas e o TGV das 2.30


A minha Meia Maratona de S.João das Lampas e o TGV das 2:30

8 de Setembro de 2012

Chegar cedo a S.João das Lampas. Costas guardadas e pilares sólidos a suportarem-me. Amor, amizade, companheirismo, está tudo lá.

Os treinos tinham sido escassos, fraquinhos, insuficientes como já parece ser meu apanágio. No entanto, mesmo mal preparada tudo faria para não faltar à Meia de S.João das Lampas e quando o Jorge Branco me aliciou com um bilhete baratinho (vendido na candonga) para o TGV das 2:30, que tinha como maquinista que eu intitularia antes de "grande máquina" o nosso amigo Joaquim Adelino que nos garantiria a finalização da prova em 2h30m, não hesitei e quase todos os temores se desvaneceram. Teria companhia e afinal fazer os 21,097 Km em 2h30m seria uma média acessível e bem confortável (7:09/Km). Os únicos senãos seriam o desnível acentuado da prova, que comprometeria um ritmo constante e a minha fraca resistência com treinos com pouco mais de 1 hora de duração. Ainda assim, o convite que muito agradeço foi o empurrão de que eu precisava e no dia alinhei na Partida embarcando no TGV das 2:30 com promessas seladas a sangue e cuspo que seria um por todos e todos por um, o que mais tarde me fez lembrar uma certa anedota(*) que não deixa de ter um fundo de verdade e que se aplica também aqui. Mas já lá vamos.

Assim, Joaquim Adelino e Jorge Branco (maquinista e carruagem principal), eu, António Pinho que também comprou bilhete mal soube da aliciante viagem, e à última hora, Carlos Coelho e Álvaro Costa. Rui Lopes também comprou bilhete e acompanhou-me até ao km 13, pois a média prevista veio a esfumar-se rapidamente (exemplo: 1º km em 6:13) e as carruagens andaram bem mais depressa que o previsto, vendo-se que a sólida promessa afinal não passava de uma vulgar boa intenção, daquelas com que o inferno está cheio, não sendo mais que o revelar do ser humano na sua mais íntima essência.

O comboio destrambelhou-se completamente. Houve carruagens a passarem à frente da máquina, carruagens desengatadas e até descarrilamentos. Nem mesmo os relógios de 5 em 5 Km, a lembrarem a passagem pelas estações ferroviárias e o rigor dos horários que deveriam ser cumpridos, os fez atinar e encarrilhar de novo (eu incluída, claro).

Assim, com excepção de Joaquim Adelino e eu mesma - porque o Adelino soube esperar e soube depois puxar por mim e porque eu respondi, todas as outras carruagens chegaram isoladas. Mas apesar do objectivo sair gorado, com excepção para o Pinho que cumpriu horário (apenas com pouco mais de 2 minutos de atraso), todos chegaram felizes e contentes à sua meta porque fizeram o que habitualmente fazem: o seu melhor. Tal qual como eu. E o resto são cantigas.


A chegada das carruagens:
O Álvaro Costa

O Jorge Branco


A minha meta: chegar bem, entre amigos, e a sorrir! Meta alcançada plenamente!  Obrigada Joaquim Adelino!



O Carlos Coelho
O António Pinho
O Rui Lopes, que com parcas condições para correr os 21 Km, me acompanhou (devidamente inscrito!) até ao km 13, onde ficou, mais por não querer atrasar o TGV que ia adiantado em relação ao horário, do que propriamente por não conseguir correr mais

António Melro, meu pai, meu companheiro, fotógrafo, amigo, amante da Corrida que descobriu já depois dos 60 anos de idade, e da qual se viu obrigado a separar poucos anos depois - para ler ou reler aqui

E nós na TV.Saloia. Sim, o nosso fantástico grupo aparece neste filme da 36ª meia Maratona de S.João das Lampas, para ver aqui!


(*) A anedota:

Um jornalista entrevistava um comunista sobre a sua ideologia e forma de ser e estar, e perguntou-lhe:
Jorn. - Então o senhor é comunista, defende a divisão dos bens por todos, o fim da exploração, defende a igualdade, etc e tal... blá blá blá...?
Comunista - Sim, sim, claro!
J - Então se o senhor tivesse uma fábrica e milhões de euros de lucros, o senhor dividia pelos seus empregados, suponho?
C - Sim, sim, claro!
J - E se o senhor tivesse uma quinta com muita produção de cereais, por exemplo, o senhor também dividia os produtos pelos seus colaboradores e pela comunidade?
C - Sim, sim, claro!
J - Então e se o senhor tivesse duas galinhas que punham ovos diariamente, o senhor também dividia pela comunidade, certo?
C - É pá! Isso é que não!
J - Não?! Não dividia?! Então porquê?!
C- Ora! É porque isso eu tenho!

- A anedota ilustra a realidade geral de que as nossas teorias são muito bonitas desde que não sejamos nós os lesados, ou desde que não tenhamos de ser nós a fazer cessões, que foi mais ou menos o que se passou com o nosso TGV



NOTA: Agradeço aos meus amigos que me acompanharam neste TGV. A começar pelo Jorge Branco que me incentivou a partir e ingressar no comboio, passando por Rui Lopes que muito me aturou nos treinos que fizemos e nos que não fizemos, por António Pinho que logo que soube da viagem se comprometeu, por Carlos Coelho e Álvaro Costa que embarcaram à última hora, e claro acabando no grande Joaquim Adelino que dadas as circunstâncias, me acompanhou sempre e me deu uma grande ajuda a partir do Km 15, puxando por mim como um louco. Que fique claro que a todos agradeço e ressentimentos são zero, porque afinal de promessas destas  não dependia nem a vida nem a morte, nem nada que se lhe compare porque isto era só uma Corrida e porque a Vida, por mais paralelismos que queiramos fazer e por muitos floreados que façamos comparando-a à Corrida, a Vida...é muito mais que isso. E Solidariedade, Companheirismo e Amizade são muito mais que ajudar um amigo a correr. E não me façam lembrar as beatas e beatos que dentro da igreja é só beijinhos e são todos irmãos e irmãs para depois cá fora é só facadas.

Até amanhã querido diário, que amanhã sim, quero falar-vos da 36ª Meia Maratona de S.João das Lampas

13 comentários:

Ms Harkins disse...

Oi,

Adorei!

Bj

Fernando disse...

Grande TGV
Boa gente e melhor ambiente

jamp disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
jamp disse...

gostei do texto. simplesmente. claro que também eu era uma carruagem, mas isolada, de outra composição...

Jose Xavier disse...

Esse TGV deveria ter sido muito divertido. Mesmo que tenha havido precausos durante o percurso, teve carruagens a chegar quase dentro do tempo estipulado.

Muito bem.

Abraços dos Xavier's

S* disse...

Tu não páras!

Isa disse...

Muitos parabéns!

Vês como conseguiste terminar?
Eu sabia =)
Com o companheirismo e motivação que tiveste só pode ter sido uma excelente prova.

Beijinhos

Jorge Goes disse...

Parabéns Ana, mais um desafio superado!! E quando acompanhados por amigos têm um gosto diferente !!

por ser no dia de regresso de férias não pude estar presente mas fui ontem á corrida do avante, sei que a 1/2 das lampas é um ótpima prova com um bom percurso de boas subidas e descidas e um treino 5 estrelas para a Meia portugal ou a Maratona do Porto

ps. vi muitos colegas atletas que fizeram a dobradinha
- joaquim adelino, Luis e Fernanda Parro , Melo, etc...são grandes maquinas
quanto á Ana, por esse andar este ano vão cair muitos recordes pessoais

:))

Susana Adelino Pinto disse...

Eheheh :)muito bom ;) e eu que era para ingressar nesse TGV logo de início, e perdi o comboio lá para trás, é que nem sequer o vi =D

Beijinhos e Parabéns

Jorge Branco disse...

“Pikena” eu no começo até tentei travar o comboio e a foto em que vou junto de si é bem elucidativa!
Mas depois tive um “acidente” com uma subida que explico lá no meu blogue!
Também explico lá no blogue que tentei meter o comboio na linha mas não consegui.
Como sabia que não ia sozinha e tinha a companhia do grande Joaquim Adelino que nunca falha nestas coisas deixei-me ir!
Nestas coisas da corrida quando a forma é muita pode-se parar, voltar para trás etc. Quando a forma é pouca e nos acontece um “acidente” torna-se muito difícil voltar para trás!
O meu erro foi não ter feito a subida atrás de todos e ignorar aquele “canto de sereia” daquela maldita subida!
Mas se fosse-mos só nós os dois acredite que eu ficava mesmo consigo! Ali não me preocupei tanto.
Mas não veja esta minha fuga como alguma atitude disparatada da minha parte em querer mostra-me melhor que seja quem for!
Apenas me deixei ir e depois já foi tarde para me juntar ao TGV!
Até que cheguei a um ponto que tinha a certeza que qualquer tentativa de me recolocar convosco teria consequências desastrosas para mim pois só conseguia andar naquele andamento que ia. Nem mais devagar nem mais rápido!
Mas sentia-me um bocado envergonha pelo que aconteceu e com alguns remorsos embora não foi uma coisa premeditada
Isto também deve ser devido ao facto de correr há anos e anos sozinho e pouco fazer provas!
Sempre sonhei nesta prova chegar-mos um grande grupo de mão dadas e tenho pena de não o ter conseguido fazer.
Mas adorei o tempo que corremos juntos! Uma oportunidade única de ir com amigos com capacidades atléticas bem superiores as minhas.
Quanto à anedota é apenas uma anedota...
Beijinho e espero que não esteja zangada comigo!
Noutros tempos já fiz provas bem mais lentas do que andava na altura para acompanhar amigos. Mas nesses tempos sabia correr!

Bluewater68 disse...

Ana, li atentamente todos os posts que antecederam esta prova e quero dar os meus parabéns por mais uma grande conquista. As tais 02:30:00 seria o menos importante. Com poucos treinos e dores pelo meio, chegar ao fim era mesmo o mais importante.
Dou os parabéns pela conquista e por ter grandes amigos com um enorme coração. Dá gosto ver. Quando existe este espírito de ajuda mútua, de incentivo entre todos, todas as enormes dificuldades e incertezas desaparecem no momento da corrida. Sozinha teria sido muito, mas muito mais difícil.
Também a nota que gostei de ler "O exemplo do Melro". Nunca é tarde para começar. Nunca.
Objectivo superado em grande estilo. Venha o próximo e mais histórias que gostamos de ler.
Bons treinos
Luis Santos
Ma Ke Jeto, Mosso on Sports

elis disse...

sua imagem da carruagem, do TGV, me fez viajar!

o melhor de tudo foi o bilhete premiado, que fez você se animar mais ainda pra conquistar esse desafio!

cada um no seu próprio ritmo, com seu próprio sorriso de satisfação, a cruzar a meta, encerra bem este conto!

parabéns, Ana!

Corre como uma menina disse...

Sabes que desde que tive aquela má experiência dos 15k fiquei um bocado apreensiva com as provas acima dos 10km. Por isso, se dia 30 conseguir cortar a meta da minha primeira Meia assim a sorrir já vou ficar muito feliz!
Como correu a tua primeira 1/2 Maratona? (Não sei se chegaste a contar a história aqui no blogue)

Parabéns, beijinho grande.