Pesquisar neste blogue

domingo, 5 de junho de 2011

1ª Corrida de Santo António - Lisboa


Com organização a cargo da HMS Sports Consulting, em conjunto com a EGEAC, apoio da Câmara Municipal de Lisboa e diversos patrocínios de vulto, esta 1ª Corrida de Santo António tinha todas as condições para apelar à participação das massas e ser o sucesso que foi, com o número de chegados à meta a ultrapassar o milhar.

Com os EUR 8,00 do valor da inscrição, os atletas tiveram direito a um percurso totalmente fechado ao trânsito, bem marcado, com breve incursão no seio de Lisboa, pelas ruas da Baixa Pombalina e Praça do Comércio, onde estava situado o secretariado, Partida e Chegada e Pódio, para se estenderem pela Marginal junto ao Tejo, correndo no sentido do rio, para depois de um retorno onde não existia tapete de controlo de chip, fazerem o caminho inverso em direcção à Meta.

Dois abastecimentos ao longo do percurso, assim como na Chegada, boa organização na entrega de dorsais, partida e chegada, suficiente animação e de uma forma geral, esteve tudo muito bem.

Bom apoio com divulgação e informação actualizada em site próprio, onde rapidamente depois da prova se pôde consultar a classificação individualmente e inclusive obter Diploma com tempo e classificação.

Marcação dos quilómetros ao longo do percurso. Boa vigilância de primeiros socorros, pela Cruz Vermelha Portuguesa.

Prémios de presença: t-shirt técnica, manjerico, bebida isotónica e água.

Prémios por classificação: apenas para os 3 primeiros da geral, no sector Feminino e Masculino, Troféus e saco com lembranças

Uma corrida rica nesta época dos Santos Populares, que tecnicamente esteve suficientemente bem (e a falta de controlo no retorno?) denota e manifesta também, muito especialmente, um cuidado para com o atleta, premiando-o com o famoso Manjerico, tão apreciado e de forte símbolo nas Festas deste Santo Popular: Santo António de Lisboa, os dorsais com nome próprio, o Diploma disponibilizado, num conjunto de pormenores que alicia o atleta de pelotão.

Por tudo isto, está pois de Parabéns a Organização

Ana Pereira
04 de Junho de 2011

A minha Corrida de Santo António

Eu estive feliz. Voltar a Lisboa tem um significado especial para mim. Lisboa é uma cidade muito bonita. Muito bonita mesmo! Invade-me uma alegria intensa ao saber que vou correr ali, naquelas ruas cheias de vida e azáfama durante a semana, e agora ao sábado com outra vida. A que os turistas lhe dão e que os portugueses esquecem de dar, pois Lisboa é digna de se passear nela e absorver todo o misticismo da cidade, dos monumentos, das ruelas, das tascas, das gentes!

Cheguei cedo. Levanto o dorsal e vou tomar café ao café mais antigo da cidade ainda em actividade: O Martinho da Arcada, onde surpreendentemente o café custa ainda EUR 0,50 e o ar que se respira lembra os poetas e boémios que por lá passaram.

Reencontro amigos. Cai uma carga de água. Valem-nos as Arcadas da Praça do Comércio para nos abrigarmos. À hora da Partida já o S.Pedro tinha feito as pazes com o Santo António e a chuva tinha parado.

Parto entre amigos. Na cauda do pelotão. "Eu vou devagar" - diz o Carlos. "Eu vou depressa!" - respondo-lhe eu, apressando-me a explicar que provavelmente o meu depressa era mais devagar que o devagar dele e que apenas significava que eu ia dar... o que pudesse. Fomos juntos, eu, o Carlos e o Pinho. Apanhámos a Eugénia que tinha partido mais à frente. Vamos passando gente. Deixamos a Eugénia para trás, depois o Pinho e por fim o Carlos me incentiva a ir para a frente, pois afinal o devagar dele era de facto mais devagar que o meu depressa, e sensivelmente pelo Km 6 corro sozinha entre centenas. Avisto o João Lima, no seu equipamento amarelo. Esforço-me por o apanhar. Mantenho o meu ritmo mas vou em esforço. Bastante esforço, embora controlado para os 10 km. Quando apanho o Lima, ele ia "devagar" e eu simplesmente me sentia bem e continuei no meu ritmo até à meta. Muito feliz. Sentir-me "bem", correr bem e terminar os 9,970 Km em 52:22, numa média de 5:15 / Km, foi para mim absolutamente fabuloso. Estou feliz.

Recebo o Manjerico, o saco com água e Isostar, e reencontro de novo os amigos que não demoraram muito a chegar. Estamos todos bem. Felizes por mais esta prova. Alongamos, conversamos e prometemos novos encontros, novos caminhos e novas Metas. A Maratona do Porto em Novembro está sempre em mira, mas eu ainda não me decidi... uma Maratona exige muita dedicação durante muito tempo (3 a 4 meses), e eu não sei se estou disposta a isso...

Adorei esta prova, nem tanto a prova, mas a minha prestação, a minha corrida, a minha vivência, o meu sentir foi bestial, fabuloso, e é para isso que eu corro: sentir-me bem, sentir carinho e amizade também, rever Amigos, e fruto disso tudo misturado, um bem-estar ... inigualável.

Boa semana para todos e até já querido diário

Algumas imagens:

A brincar aos pódios: Fernando Andrade, eu e Carlos Coelho:Agora também com João Lima:
O meu pai:
Antes da Corrida, já equipada:
Ainda antes da prova, com Carlos Coelho e António Pinho:
Com meu pai:
A chegar à Meta, feliz e contente:
Depois da prova, com Zé Gaspar:
Com António Pinho e os Manjericos, claro, que aroma intenso! :
Já só, a alongar, com o prémio ao lado, sem o perder de vista:
Os fotógrafos: Zé Gaspar e António Melro, que nos trazem imagens que registam momentos irrepetíveis, que gosto sempre de recordar:
Muitas mais fotos na AMMA - Atletismo Magazine Modalidades Amadoras

9 comentários:

horticasa disse...

Pois é o Bletan não se comove com as minhas conversas...É uma pena, mas ele volta sempre deixa lá, daqui a uns dias.
Fazes sempre uns relatos muito premonorizados e muito interessantes.
bj eugénia

Jacke Gense disse...

AH Aninha.. que delicia pode correr bem, num ritmo que nos satisfaz e nos deixa simplesmente feliz!
Parabéns de verdade... eu consegui baixar meu tempo no ultimo domingo e foi uma satisfação tão grande que não acreditei..
Daqui duas semanas correrei minha terceira Meia Maratona e com certeza em muitos quilômetros lembrarei de você, pois sempre tem me apoiado! Já são uns 5 anos que conto com o seu carinho.. e peço a Deus de verdade que um dia possamos nos conhecer pessoalmente :)

bjs
Jacke

Álvaro disse...

Que maravilha, o teu blog, bem cuidado e cheio de gente fantástica!
Abraços a todos!
Álvaro

JoaoLima disse...

Foi um grande tempo, Ana.
E fiquei contente de saber que servi de "ponto de mira". Mas quando passaste, já eu tinha dado o triste pio.

E a fotografia prova que nós já estivemos num pódio! O dorsal bem tinha razão em ter lá o carimbo de super atletas!

beijinhos e até à próxima

elis disse...

oi, ana!!!

parabéns!!!
cada dia mais veloz e mais linda!

gostei desse manjerico como prêmio!
acho tão fascinante uma corrida numa cidade bela e histórica, como Lisboa... e o Tejo, que só conheço das leituras dos escritores portugueses!
e esse café?! que maravilha!!! sou perdidamente apaixonada por café, ainda mais quando degustado em algum lugar muito especial!

parabéns, ana!
bjs

Anónimo disse...

Olá Ana! Excelente resultado
pois já à muito tempo que não corriamos juntos, pois quando a vi pensei, bom já tenho companhia para os 10 km, só que me enganei a menina que corre á volta do coreto veio cheia de força, partimos juntos com um ritimo muito forte ao km 4 fui me abaixo, mas ainda pensei, bem a Ana lá para o km 7-8 vai-se abaixo, e ai seguimos juntos, só que realmente nunca mais a vi, Ana fez uma excelente prova, apartir de agora vou ter que treinar mais para poder a companhar, o convivio antes e de pois da prova foi excelente.
obrigada pelas fotos.
continuação de bons treinos para a Maratona, beijinhos e um abraço ao PIPAS.
Apinho

Me disse...

Obrigada pelo comentário...um abraço e boas corridas:)

Anónimo disse...

Nice to see you happy and running! I hope you can one day run in USA! We have manny manny Marathons!

Mário Lima disse...

Ana

Com a felicidade estampada em cada linha por mais um km vencido sempre num ritmo superior àqueles que dizendo que iam devagar (desculpas, não tinham era pernas para a acompanhar :D), fez uma boa prova nma cidade mítica que, como o diz, os que aqui vêm lhe dão mais valor que nó, os indígenas.

Espero que no Martinho tenha bebido o seu café olhando para a mesa onde tantas vezes Fernando Pessoa esteve e onde foi apanhado em flagrante "delitro".

:)

Tudo de bom!