Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

e ainda a 53ª Volta a Paranhos


O que é preciso para uma lisboeta de gema, que se queria fresca como uma alface (não fosse ela alfacinha) sair da cama às 5 da manhã , equipar-se com um equipamento bizarro que a fazia parecer um chouriço apertado e só se aperceber disso quando já está no Porto, a 300 e tal quilómetros de casa e à luz do dia, no meio de mais um milhar de atletas na Partida da 53ª Volta a Paranhos, e ir correr 10 Km?

Eu conto-vos o que é preciso.

É preciso ter uma relação muito especial com a Corrida, daquelas em que o coração manda mais que a cabeça, como especiais são todas as relações entre todos os seres. É preciso ela não ter ainda feito vez nenhuma na vida, a Volta a Paranhos, a Corrida mais antiga de Portugal ainda viva e a mexer, tanto quanto é do conhecimento dela. É preciso querer. E crer. E ter algum gasóleo no carro, suficiente para ir e voltar.

Estavam reunidas as condições. E ela foi.

Encontrou um Porto a acordar. Ruas limpas, lavadas da chuva e frescas mas pouco frias ao contrário do que esperava. Junto ao antigo estádio Vidal Pinheiro em Paranhos, estavam já preparadas a Partida e a Meta. A Organização, o Sport Comércio e Salgueiros, mais conhecido por SALGUEIROS, que em 1956 fez nascer esta Corrida e a tem mantido viva até aos dias de hoje em que se afirma como prova internacional, tinha aí instalado o secretariado, onde se entregavam os dorsais. Um pórtico insuflável e gradeamento a delinear a zona. Um palco onde se viriam a entregar os prémios por classificação nesta prova integrada nas comemorações do 99º aniversário do S.C.Salgueiros.

Ela teve tempo para tomar café descontraidamente, colocar o chip que controlava o percurso, e o dorsal e aquecer alguma coisa. Encontro com amigos do Norte, conversa a correr, e depressa está no fim do pelotão que se prepara para partir. Partida dada pontualmente e eis as ruas do Porto para palmilhar nesta manhã magnífica. Percurso bem definido e assinalado, com trânsito totalmente cortado, quilómetros bem assinalados, desde que os atletas respeitassem seguir a estrada e não os larguíssimos passeios que lhes deveriam de estar inacessíveis, e pelos quais muitos optaram para poupar uns valentes metros (na zona do km 9). Abastecimentos de água, suficientes e eficazes. Bom policiamento e acompanhamento da prova.

Há público nas ruas. A fazer lembrar a já próxima S.Silvestre do Porto. Animação.

A prova não é propriamente plana. Há uns desníveis com algum significado, que ela ultrapassou bem.

Aproxima-se já da meta. De novo muita animação apesar da chuva miúda mas constante que se instalara pouco depois da partida. É fotografada, mimada e animada. Depois de passar pelo tapete que lhe havia de "ler" o tempo que fez pelo chip, é encaminhada para um amplo espaço, onde pode retirar o chip e na sua entrega receber o saco com os prémios de presença: água, garrafa de vinho de mesa branco, bolachas, t-shirt e medalhão alusivo à prova. Há ainda bebidas isotónicas a copo. Nesta fase, formou-se alguma fila mas nada de especial.

Pensa-se que os 1229 atletas chegados à meta tenham saído dali satisfeitos e contentes com a prova. Ela saiu. Muito. Gostou mesmo muito. Se pensa lá voltar? Certamente que sim, e pensa fazê-lo já no dia 8 de Dezembro de 2011, altura em que a Organização celebrará 100 anos.

A prova está bem organizada, é bonita e está carregada de um misticismo que se sente em cada lufada de ar que se inspira e em cada passo que se dá ao longo dos 10 Km.

A Organização disponibilizou ainda no seu site as classificações e centenas de fotos poucas horas depois de terminada a prova.

Por tudo isto, está a Organização merecedora dos meus mais sinceros Parabéns!



Em termos competitivos, a prova teve os seguintes resultados, no sector masculino e feminino respectivamente:

1º Bruno Jesus - Portugal - 00:30:16
2º Daniel Pinheiro - Portugal - 00:30:27
3º Anthony Maritim - Quénia- 00:30:45

1ª Fernanda Ribeiro - Portugal - 00:34:11
2ª Doroteia Peixoto - Portugal - 00:34:39
3ª Mónica Silva - Portugal - 00:34:54

7 comentários:

Fernando Andrade. disse...

Muito bem, Ana.
Parabéns por se ter posto à estrada e ir até ao Porto num dia em que nada convidava a sair. (eu que o diga pois a preguiça atacou-me e eu fiquei o dia todo sem sair de casa -nem para correr!).
E parabéns também pelo resultado.A coisa assim começa a compor-se.
Beijinho, Ana
FA

Anónimo disse...

Olá Ana.
estou muito contente pelo o resultado, fez uma boa prova, a correr assim qualquer dia já não a posso acompanhar.
Desejo um bom fim de semana para
si e familia
Apinho

José Xavier disse...

Olá Ana;

Positivo ter ido até ao Porto e participar nessa corria especial.
Um bom sinal, de que o entusiasmo pela corrida não importa onde a mesma se realiza.

Muito bem, parabéns
dos Xavier's

bombarda566oficinasdeartes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
M disse...

Olá afilhada :)

É dificil mas penso que é possivel. Tens razão, sabemos tão bem como não deixar a compulsão entrar, então porque não o fazemos? Eu ainda não estou na fase de poder comer só um quadradinho de chocolate, sei que se o meter à boca nesta altura, vou comê-lo todo. Eu tenho de ter consciência de mim própria, não quero ser restritiva, mas como já tentei de todas as formas, decidi que desta vez, todos os alimentos que eu não consigo deixar de comer não os posso por na boca. Nesta fase é assim: não deixar que outros alimentos entrem no lugar dos outros, porque me interessa libertar a compulsão. Sim, eu quero ser daquelas pessoas que tem um chocolate no frigorifico e que depois de aberto ele dura 1 semana.

Mas não vou fazer nenhuma dieta estupida nem me vou deixar sentir fome um segundo que seja, porque também sei que esse é mais um caminho para a compulsão.

Sim, 5kg até ao fim do mês. Não é muito, porque o meu corpo vai ter um abalo grande, depois é não desistir :)

Também estou de olho em ti. Vou por as minhas medidas no blog, interessa-me mais que o peso em si e vou dando o peso a todas as 2ª feiras.

Beijocas, entra sempre em contacto

horticasa disse...

Que bom que vais sempre a provas, eu cá vou treinando pouco.
Queria ir ao grande prémio do Natal mas nem sei quando é, as S. Silvestre estão fora do programa, talves a do meu bairro lá para os Reis.
beijinhos e feliz Natal
eugenia

Anónimo disse...

olá ana, sou a ines a filha do rui.Lembrei-me de passar pelo teu blog pois queria mostrar uma foto da molly a uma amiga minha.FELIZ NATAL!!! também para a mafalda a molly,para ti , para o pipas e para o resto das pessoas.Beijinhos.