Pesquisar neste blogue

domingo, 9 de março de 2014

16º Corta Mato de Santo António dos Cavaleiros

E decorreu hoje mais uma prova do Troféu de Loures. Foi o 16º Corta Mato de Santo António dos Cavaleiros e eu estive lá.

Não porque tenha qualquer especial interesse no troféu nem porque uma prova de 3 km me encante, bem pelo contrário. Acontece que por um quase acaso, acabei inscrita para as provas todas do troféu, a custo zero, todas relativamente perto de casa e a representar uma equipa que não me diz rigorosamente nada: Grupo Desportivo Ribeira de Lage. Apenas amiga de amigo e a coisa aconteceu.

Assim, se hoje tinha as Lezírias e se fiquei com pena de não ir, pois é das minhas provas preferidas, optei por não gastar e ir a Santo António dos Cavaleiros. E claro, em nada me arrependi, conforme previa. O único senão é que de facto...soube a pouco. Foram apenas 2.820 metros corridos em 15m43s, média de 5.35/km, o que não é nada de jeito mas deu-me para suar as estopinhas pois a minha forma é péssima, os treinos para a "especialidade" (ou mesmo só "os treinos") são quase inexistentes e o percurso, se não é difícil, também tem umas inclinaçõezinhas que quem tem excesso de peso e quase nenhum treino, não achará propriamente fáceis.

A prova, organizada pela Junta de Freguesia, União de Freguesias Santo António dos Cavaleiros e Frielas esteve muito bem organizada. Percurso bem marcado, entre terra batida e relva, muto apoio, partidas a horas dos vários escalões, entregas de prémios rápidos, tudo muito bem. Prémios de presença: saco com t-shirt de algodão, iogurte e água.

A minha prova foi aquecer um pouco, perceber que isto hoje não está fácil, sinto-me muito pouco destra e impelir o corpo para adiante em passo de corrida não me surge fácil. Por instantes interrogo-me o que faço eu ali numa prova destas! Onde toda a gente anda a lutar pelos lugares do Troféu, a fazer pontos, a lutar a sério e a dar no osso. Por instantes o pânico apodera-se de mim: e se o tempo limite não chegar? Estavam anunciados 3 km e a minha prova teria de acabar antes de começar a do escalão seguinte  exactamente 30 minutos depois da minha partida! E se ficasse em última? E se tivessem de me tirar da pista? E se... PÁRA! Grita o meu eu mais racional, que apesar de não parecer também o tenho. Já não há nada a fazer! Estou ali e agora é correr!

Corro com os escalões femininos de Juvenis, Juniores, Seniores e Veteranas. Parto na linha de trás, evidentemente. Não tenho andamento para aquilo. Faço a minha prova. De forma natural, porque a passada e o ritmo eram semelhantes, faço a prova toda praticamente lado a lado (ora passa uma ora passa outra), com uma atleta que para não destoar do habitual, justifica a sua má (?) prestação (como a minha!) alegando que ontem teve prova de Marcha, onde fez uma grande prova e que esta prova não lhe interessa para nada, que as pernas não respondem. Como se as justificações dela me interessassem. Como se tivesse de se justificar. Como se só fosse admissível ir ali ao pé de mim, pela razão exposta: ela ser uma grande atleta de Marcha. Começo por responder que estar ali já era muito bom, que cada um faz o que pode e que é sempre uma melhor alternativa ao sofá e ao sedentarismo. Ignora-me e reforça que ontem é que foi! Uma grande prova! Por isso hoje as pernas não respondem... Apeteceu-me responder-lhe que cada um tem as suas "desculpas" mas fiquei calada e segui. Seguimos, aliás. Acabou por cortar a meta uns metros à minha frente. Não me esforcei especialmente. Porque não valia a pena e também porque não estava especialmente bem para sprints finais. Cada um tem as suas desculpas, mas não precisa fazer delas uma bandeira. Só fica mal.

Revi alguns amigos, alguns muito especiais por quem tenho imenso carinho e senti muita alegria revê-los, e também vários conhecidos. Corri. Depois peguei na máquina e fui fotografar a prova seguinte, a dos Veteranos Masculinos: rostos amigos, conhecidos e desconhecidos, de esforço, de felicidade, de alegria e de dor, de mistérios por detrás de cada olhar, silêncios de uma vivida carregada e ali tão transformada em suor, em músculos, força e Vida. Tão só... a correr. Por tudo e ...por nada. Tudo isto é a Corrida. Vivi de novo o bom ambiente das Corridas, das provas. Valeu muito a pena ter ido ao Corta Mato de Santo António dos Cavaleiros. Obrigada a todas as entidades e pessoas, porque as entidades são feitas de pessoas, que nos proporcionam manhãs boas como esta.

















para a Meta

Prova acabada...trote na relva

José Silva...corre e tem este hábito fantástico de fotografar a malta! Antes e durante a prova! E faz ambas as coisas especialmente bem! Para ele o meu obrigada!
O meu amigo Ginja... 


Joaquim Adelino e Hugo Adelino, um grande atleta, como o pai, e que foi hoje 1º lugar no escalão!

O meu pai, António Melro e o nosso amigo Joaquim Adelino
mais Fotos, pelo meu pai e por mim, na AMMA - Atletismo Magazine Modalidades Amadoras

e pelo atleta José Silva, aqui

e pelo Grupo Desportivo São Domingos, aqui

e do Ingleses Futebol Clube, aqui

A todos o meu obrigada pelas fotos que aqui utilizo.

8 comentários:

Eugenia Do Vale disse...

Muito bem, o que é preciso é não parar, beijinho

Corre como uma menina disse...

Parabéns! Provas de 3km nunca fiz, mas deve ser sempre a doer, xiça! Isso não é o tempo/distância que uma pessoa leva a aquecer? :)
Beijinhos

Jorge Branco disse...

E a "Pikena" atendendo à conjectura até fez uma grande prova!
Não são desculpas é a conjectura!
Cada qual tem a sua conjectura!
A minha conjectura já não me deixa fazer provas de 3 km (nem nunca fiz) pois só corro provas que me dêem gozo!
Por acaso quando corria alguma coisa de jeito (se alguma vez o fiz!....) até gostaria de experimentar mas nessa altura não tinha tempo a perder com essas "brincadeiras" eu era um "senhor" fundista hi hi hi hi hi hi
Beijinhos.

Anónimo disse...

Olá Ana,

Acabaste por fazer uma boa prova para a condição em que estás e esta sempre te fez acelerar e queimar umas caloriazinhas.
Como sempre, estás com um aspecto radioso ... alegre revelando o quanto te divertes com estas "correrias".
A 69 não te largava né? Estava com medo de que tu a ultrapassasses...tirasses uns pontinhos à sua equipa concerteza.
Para a próxima vais ter de ganhar à 69 OK?

Treina bem e diverte-te
Bjs
F. Sousa

A Tulipa Azul disse...

Parabéns:)

Jorge disse...

Independente da distância para percorrer, estar numa prova e participar já é um ganho.
Parabéns e bons treinos!

S* disse...

O teu ar feliz quando corres é digno de registo!

Vera, a Loira disse...

Mais uma grande corrida e mais uma aventura.