Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 1 de maio de 2008

Esperança, Objectivos, Corrida e Sonhos

Esperança

Continuo teimosamente a regar a terra dos meus canteiros. Com o calor teimo em que a terra não seque, na esperança que nasça vida naqueles rectângulos de terra. Interrogar-se-ão os vizinhos: que rego eu?

Apesar das diversas sementes atiradas sobre a terra e com esta cobertas, não tem nascido grande coisa. Espaços vazios, castanho escuro, permanecem aparentemente áridos, mas noutros espaços, estranhas e diversas plantas têm rebentado aqui e ali dispersas. Daninhas certamente algumas mas tenho a certeza que pelo menos duas delas são fruto das minhas sementes, e todas certamente, fruto da minha persistência nas regas agora quase diárias.

Um dia nascerão flores, fruto do cultivo, tenho a certeza disso. Apesar do verde da vida a despontar num pedaço de terra negra e uma minúscula flor amarela silvestre me alegrem igualmente. E continuarei a regar.



Objectivos, sonhos e corridas

Quando acordar pela manhã e saber que há leite, manteiga, pão e queijo sobre a mesa para oferecer à minha filha, é um objectivo que se alcançou com bastante dificuldade, mais difícil é pensar noutros, menos terrenos e básicos e pobres, como este.

Quando o objectivo da sobrevivência é alcançado com tripas e coração, e apenas possível com ajuda de terceiros, ficando a nossa independência comprometida, ficamos menos disponíveis, motivados e fortes para pretender alcançar outros, que elevem a alma, de magnitude imensurável e alvo de aplausos, ovação e admiração.

Quando a própria subsistência está em jogo, ficamos sem vontade de marcar outras metas para alcançar, como se para provar que nos podemos esforçar e conseguir, que podemos subsistir, temos capacidade de sofrer para alcançar a meta, conseguimos superar-nos, e um sem fim de condições que fariam de nós heróis, aplaudidos, admirados e elogiados.

Eu sou e estou assim. As forças para atingir objectivos estão direccionadas para esses, os mais básicos e pobres, mas que sem os quais, não consigo (nem física, mental ou materialmente)passar para outros.

A corrida e as metas que quero alcançar com ela, mostrando-me a mim própria que sou capaz, é uma brincadeira de crianças.

Este blog onde escrevo, e que persiste como se de uma luta (embora muito prazenteira) se tratasse, (enquanto a Cabovisão não me cortar o fornecimento de serviço), é outra brincadeira de crianças.

O peso do meu corpo que quero provar a mim mesma que sou capaz de fazer descer, é outra: bincadeirinha de menina mimada que não tem mais com que se preocupar.


O grande, o essencial objectivo neste momento é apenas: subsistir com um sorriso (mesmo que seja daqueles tristes, pois como dizem, sempre é melhor tê-lo triste, do que perder a capacidade de o ter) e manter o sorriso (feliz) da minha filha.

Mas como o Homem mesmo sem pão sonha (sonha principalmente com banquetes, pratos de carne a fumegar e travessas de fruta fresca exalando aromas divinos), esta mulher tem ainda um sonho – fútil evidentemente:

Antes de chegar ao seu quadragésimo aniversário, quer tirar a desforra da Maratona, onde em Outubro passado se viu forçada a desistir ao quilómetro 30, à beira do Douro, belo e cintilante, olhando para ela, espelhando as suas lágrimas e o seu sorriso triste, e sussurrando-lhe segredos. Só dela e só para ela, que os guarda e quer ir de novo falar deles à beira desse rio, do qual morre de saudades.

E por ora, não há mais sonhos.

7 comentários:

António Bento disse...

olá Ana
as flores vão nascer, acredite!
beijinho e força, que a Ana é uma maratonista.
ab

luis mota disse...

Olá Maria!
Nas fotos, ao lado da flôr, podemos ver trevos.
Espero que estejá lá um de 4 folhas para te dar sorte e felicidade!
Luís Mota

mafavisi disse...

Ana, sei do que falas e não é fácil.Acredita que melhora...devagar mas melhora.A corrida ajuda-me a levar a água ao meu moinho, desanuvia a mente e o espirito.
Beijinho
Fátima

Jorge disse...

-------\\\\|/-------
------(@@)-------
-ooO--(_)--Ooo—
Olá Ana bonita cronica corredora, parabéns!!!
Boas corridas e bom final de semana.
Um abraço,
JORGE
www.jmaratona.blogspot.com

António Almeida disse...

Olá Maria,

de Sebastião da Gama, O Sonho:
Pelo sonho é que vamos,
comovidos e mudos.
Chegamos? não chegamos?
Haja ou não haja frutos,
pelo sonho é que vamos.
Basta a fé no que temos.
Basta a esperança naquilo
que talvez não teremos.
Basta que a alma demos,
com a mesma alegria,
ao que desconhecemos
e ao que é do dia a dia.
Chegamos? não chegamos?
Partimos. Vamos. Somos.

Força Maria.

JACKE disse...

Oi Aninha...
Sempre quando leio seus posts vejo o quanto temos coisas em comum!

Tenho certeza que com sua determinação este ano irá concluir a maratona que precisou deixar para trás no ano passado!

Sobre o peso.... essa é a briga que praticamente 99% das mulheres precisam lidar.... eu estou inclusa neste 99%!!!

Sobre minha fratura por estresse, eu agradecemos imensamente sobre o que colocastes em me blog... As vezes tento tampar o sol com a peneira... A sede de voltar é tanta que fica complicado se segurar!!!

Mas enfim... vou ter que esperar mesmo.. acredito que no mínimo mais um mês...

Mas como vc mesmo disse.. preciso estar 100% e nada menos que isso!!!

Obrigada pelas dicas!

Um super beijo

Jacke

António Almeida disse...

Olá Ana

obrigado pelas palavras lá no blog.
Espero também que a Mafalda tenha recuperado.
E consigo tudo bem?
Espero que sim.
Uma boa semana.
Beijinhos dos 3.