Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

A importância do exercício físico(*)

Se te soubesses doente e se o médico te prescrevesse tomar um comprimido cor de rosa ou azul bebé como se quer a vida, todos os dias, para melhorares o teu estado, mesmo sabendo que a cura é inatingível, mas que precisas deles para suavizar o teu mal estar e os sintomas que te atormentam e não te deixam estar bem, o que farias? Tomava, claro! Quer dizer, depende! Depende de quê, caraças?! Quem não se quer sentir bem?! Ora...depende sim! Quer dizer...se conseguisse querer de facto sentir-me melhor, aliviar os sintomas e cuidar bem de mim, sim, claro que tomava!

E então se o médico, em vez de um comprimido cor de rosa ou azul bebé como se quer a vida, te prescrevesse uma sessão diária de exercício físico, de intensidade de moderada a intensa, precisamente para melhorares o teu estado, mesmo sabendo que a cura é inatingível, mas que precisas delas para suavizar o teu mal estar e os sintomas que te atormentam e não te deixam estar bem, o que farias?
O animal não respondeu. Pegou na mochila e foi para a piscina. Nadou como sabe e devagar, durante 60 minutos.

(*) como se existisse alguém que desconhecesse o facto...

2 comentários:

S* disse...

Sem dúvida. Parece que nos sentimos mais soltos!

Eugenia Do Vale disse...

Melhor que nada!
Tens razão em tudo o que escreves à se o corpo obedecesse à cabeça, como seriamos mais felizes... e saudáveis.
Beijinho