Pesquisar neste blogue

sábado, 20 de abril de 2013

Confidências


"... Faça o menos possível de confidências. Melhor não as fazer, mas, se fizer alguma, faça com que sejam falsas ou vagas..."

Fernando Pessoa, in  Conselhos de Vida


Correr uma Maratona é fácil. Se e desde que tenha havido a preparação adequada para ela. Resistência e habituação do corpo e da mente ao esforço contínuo e prolongado é essencial.

Já corri 4. Entre 3h49m (a melhor marca) e 4h07m. 

Difícil mesmo é precisamente a preparação. Foi assim nas 4 Maratonas que corri. 

Os 3, 4 ou mesmo mais meses de preparação (dependendo do nível atlético em que se está) é que são de facto difíceis de cumprir. Difícil é manter a motivação, a disciplina, o interesse e a vontade. A preparação sim é difícil. Mais ainda quando as circunstâncias de vida não ajudam muito nem convidam para grandes treinos nem para uma dedicação à Corrida para além do de vez em quando.

Quando em 2007 quis correr a minha 5ª Maratona, com preparação deficiente, alinhei na Partida e assumi que por muito devagarinho que fosse, a acabaria fruto da vontade. Mas a vontade não é tudo. Desrespeitei a Maratona, e consegui correr até ao km 26. Daí aos 30, por cada passo que dava, uma dor aguda fazia-se sentir. Assim não! Desisti ao km 30. Depois disso nunca mais voltei a tentar.

Tentarei este ano. Na 10ª Maratona do Porto, a 3 de Novembro de 2013

Se tenho medo de não conseguir? Tenho!

Se tenho medo de não conseguir fazer o caminho até ela? Tenho!

Se tenho medo de perder a vontade, de achar que não vale a pena a dedicação, o empenho e o tempo necessário nos meses que a antecedem? Tenho!

Já sei...quem tem medo compra um cão. E eu...até já tenho um. Quer dizer é uma cadela, mas para o caso é a mesma coisa.

17 comentários:

Sandra disse...

Fantástico, Maria! Quem me dera conseguir fazer 3horas e 39 min!
Este ano vou fazer a minha 2ª maratona a sério. Até agora estive em 3 maratonas, todas a de Lisboa. Na primeira (2010), completei em 5horas e tal, porque parei a meio e mais um bocadinho para acompanhar o meu marido que foi acometido de umas caimbras brutais, aos 25km (acabou por desistir). Apesar de saber que o meu tempo já estaria comprometido, quis completar a minha 1ª maratona, e fi-lo. No segundo ano, aí sim, tudo correu de feição (em 2011): geri bem a prova, e semparar cruzei a meta com 4 horas e 4 minutos. Fiquei radiante! Esta valeu. Em 2012, em muito baixa de forma, lá fui de novo. Entusiasmei-me no inicio, fiz mal. Aos 21 km já tinha as pernas a pesar chumbo. Aguentei-me sem parar mas cheia de guinadas, até ao km 31. E parei. Não se me afigurou outra solução que não desistir. As pernas estavam presas, pesadas e só dar um passo era doloroso. Ok, apanhei o elétrico em Belém e voltei para casa. Este ano vou de novo. Quero recuperar a auto-estima perdida naquele km 31. Sei que fiz uma péssima gestão da prova, e que não irei repetir esse erro outra vez. Mas dá um friozinho no estômago, pois já sei também qual o sabor da "derrota"... Mas estou confiante. Tenho de limpar a História, e voltar a cruzar a Meta, merecendo a medalha que recebo, igual à de tantos e tantas outras companheiros/as destas andanças. Tu és uma mulher de fibra, e não tenho dúvidas que vais conseguir! Treina, encontra o ritmo certo para a prova, vai a primeira metade sem esforço, para na segunda metade então estares mais à vontade e com as pernas ainda "fresquinhas". Com alguns cubos de marmelada pelo caminho para nunca deixar as reservas caírem, vais conseguir o teu objetivo! Vamos as duas, amiga: vingar-nos dos nossos 30`s fatídicos, e chegar aos 42, 196 repletas de glória! Eu vou em outubro na Maratona de Lisboa, com o seu novo percurso, agora na marginal. Beijinhos, e bons treinos!!!
Sandra

Maria Sem Frio Nem Casa disse...

Oi Sandra! pois muito obrigada pelas entusiasmantes palavras! Mas a minha melhor foi 3;49...tinha escrito por lapso 39 e só reparei agora no teu comentário... mas sim, este ano vamos limpar a história, e o km 30 será apenas o km 30 ! :)

Joaquim Costa disse...

Olá Ana , olhe não sabia que tinha desistido numa maratona , acontece .Correr uma maratona é realmente um caso muito serio , muita motivação, e muito treino , sem isto não é possivel cantar vitoria.vamos ver se este ano ganho coragem para a minha 3ª...bj e tudo de bom .

JoaoLima disse...

Força Ana! Eu acredito que vais conseguir!

Beijinhos

Vitor Veloso disse...

Ola Ana, acredita nas tuas possibilidades que és capaz de enfrentar os 42km. Terminar uma maratona é um sonho acessível a qualquer corredor, tu já o conseguiste a desistência acontece, não somos robot. Vamos ao Porto para mais uma Maratona! Força amiga se quiseres companhia para treinar ja sabes!!
Bjinho

Marcelo Barbosa Araújo disse...

Como bem disse a Ana, a preparação é a parte mais

custosa, solitária muitas vezes, dolorida. Nunca corri uma maratona. Em verdade, corri uma única prova na vida, a corrida de São Silvestre (15K-Brasil) em 2012.
Naquela prova tive bolhas, caimbras, tudo. Eu sabia estar mal preparado. Do sedentarismo à corrida tive apenas 2 meses de treino eventual. Completei a prova com o pé direito em carne, mas não desisti. Não desisti por uma única razão: nos 2 meses de treino, ainda que eventuais, eu sempre antes de iniciar o treino eu dizia para mim mesmo que aquilo, aquele treino não era apenas um treino para melhora de condicionamento, mas sim uma preparação para tornar o desafio da prova menos doloroso. No meu pensamento eu "certamente" (aspas) cruzaria a linha de chegada, estando bem ou mal preparado. A partir desta "certeza" (muitas aspas) da chegada, eu não via os treinos como um percurso de capacitação para que eu pudesse concluir a prova. Eu via os treinos como uma etapa necessária para que eu, gradativamente, cruzasse cada vez em melhores condições a chegada, que era a minha "certeza". O fim já estava lá, em cada treino. Não desisti no meio da prova por este único motivo. Se tivesse desistido, toda a maneira como eu havia previamente concebido e me dedicado aos treinos deixaria de fazer sentido. Os treinos eram apenas um meio para um fim já muito certo na minha cabeça e, de repente, eu mesmo desisto? Não poderia ser assim. A vontade de desistir pelo caminho era enorme, as dores fortes, mas se eu desistisse - e me conheço muito bem - eu me perguntaria por um bom tempo por que razão eu havia treinado. Seria como juntar tijolos a vida inteira para construir uma casa e depois desistir da casa. Não saberia o quê fazer com os tais tijolos.
Para a maratona do Porto estou com o mesmo pensamento. Irei completar (muitas aspas, reconheço minhas limitações, muita vez é melhor parar de modo a evitar uma lesão). Acho que somos um bando de gente mentalmente sã que busca, ao cruzar a linha de chegada, gritar a plenos pulmões (rs) que acabou de cometer a maior loucura de nossas vidas. Graças à Deus e para o bem dos ouvidos da torcida, chegamos quase sem fôlego.

Fernando disse...

Ora aí está um projeto contagiante. Enfrentar o fantasma que lançou uma nuvem negra no meu percurso.
Ainda só corri uma maratona de estrada (2011 Lisboa) e fiquei cheio de autoestima por ter conseguido superar essa mítica distância em menos de 4 horas.
Mas foi difícil, muito difícil e mesmo desesperante a partir dos 30km que marcaram o início das caimbras.
A disciplina no treino é fundamental, distâncias grandes, uma boa hidratação e muita força de vontade.
Como preciso de um "shot" de autoconfiança, este ano decidi voltar a correr uma maratona de estrada. Já estou inscrito na 10ª Maratona do Porto, por ser a décima, por ser no Porto e não em Lisboa, por ser bem mais barata do que a próxima de Lisboa e finalmente, por haver um autocarro (assim espero) cheio de malta animada para a grande festa da corrida.
Bem a vontade já tenho, agora falta esperar que o pé lesionado por causa de um estúpido jogo de futebol volte a cooperar com as sapatilhas e lá vou eu, treinar com determinação.
Bons treinos amiga e obrigado pela inspiração.

Jorge Branco disse...

"Pikena" para mim há dois tipos de maratonas e maneiras de a fazer:

"Prego a fundo" a dar o nosso melhor.
(Foi assim que corri as minhas modestas 4 maratonas tendo como melhor resultado 3:10:27).

Nas calmas só para acabar.
Está segunda formula implica muito menos treino e basicamente, centrar o treino em meter km nas pernas!

Penso que correr só para acabar não é assim tão complicado. Implica treino e disciplina mas nada demais.

isto se calhar sou a desvalorizar as coisas até porque as distancias não me metem assim tanto medo. Agora aqueles apuros de forma para dar o máximo é que já não são comigo!

E não vale a pena comprar um cão pois quem tem esse doce de cadela que é a Molly tem tudo!

Beijinho.

Eugenia Do Vale disse...

Só tu para me fazer rir agora e aqui.
essa do cão, foi gira, já a minha avó dizia isso....
Eu nunca comprei cão, apesar de já ter tido vários e muito medo pelo meio também.
beijinho
PS. temos então que combinar muitos treinos longos aqui no Monsanto ãh???

Maria Sem Frio Nem Casa disse...

Joaquim...lá nos encontraremos!

Fernando...este ano, a par das edições anteriores, a RUNPORTO faculta-nos de novo autocarros Lisboa-Porto-Lisboa, e se no ano passado foram 3, este ano não devem ser menos: em breve abrirão as inscrições para a viagem, mais uma vez a meu cargo. As melhoras desse pé!

S* disse...

Eu nem 10 minutos corro sem me dar o abafa, pelo que admiro imenso essa tua postura.

Anónimo disse...

Olá Ana,

Pois é Ana, o que custa são os treinos. A força de vontade julgo que não te falta portanto, é planear bem os treinos longos. Julgo que te bastarão uns quatro meses de treino com uns treinões com cerca de 3h lá para Setembro e Outubro e está feito. Se fizeres mais tempo só te vais cansar e gastar as energias necessárias para o dia da prova.
Na véspera da prova, se não fizeres asneiras e no dia da Maratona se tivermos cuidado ao pequeno-almoço com o que comes julgo que a corrida te vai correr bem e conforme o que planeaste. Aliás julgo que quem treinar mais ou menos, já sabe o que poderá valer na corrida não deixando nunca de dar uma margem de uns 5 a 7' para mais. Portanto Ana, escolhe um bom plano de treino e é esperar que não surjam lesões ou outras complicações que podem sempre surgir num plano de treino tão intenso e longo. Vá Ana, vamos a treinar...

Festinhas para a beldade da foto.
Fernando Sousa

Jorge Goes disse...

Olá Ana
É sempre um prazer ler as tuas palavras quando estás motivada e alegre.
Fernando Pessoa não era maratonista como nós e as suas confidências poderão ser “ falsas ou vagas..." mas um atleta quando fala de coração aberto sobre as suas corridas fá-lo de forma franca e honesta.
Não tens nada a provar a ninguém apenas a ti, vais tentar a tua próxima maratona ainda este ano e vais cortar a meta a sorrir tu sabes que assim será. Sabes o quanto precisas disso!!

Porque conforme este mesmo poeta escreveu:
“O valor das coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis.”

Boa semana
Jorge

aj Bernardo disse...

...não me assutes !! :)

eu vou fazer a minha primeira maratona nesse dia , e nem quero começar já a pensar nisso tudo !! ehehhe...

...já me basta o treino , e a disciplina e a organização pessoal para o conseguir !!

se começar a pensar nisso tudo e nas lesões e na disposição do dia da prova e que nem dormir vou conseguir...

uiiii...não quero pensar mais nisso !!


vamos "todos" conseguir !! eheheh...

muita força para ti...

ajb

Fernando disse...

Ok, vou ficar atento, não quero perder a oportunidade. mais uns 15 dias e já volto a tentar a corrida.

afca disse...

Ana,
sei do que fala...ânimo e força com essa preparação!

Alexandre Ataíde disse...

Vai CORRER bem!