Pesquisar neste blogue

terça-feira, 15 de março de 2011

Um País chamado Portugal, 15 de Março de 2011

Europa, Portugal, 15 de Março de 2011
Empresas de transportes rodoviários de mercadorias em paralisação por tempo indeterminado, desde as 0:00 hrs de ontem. Reivindicam medidas de apoio ao sector face aos aumentos de custos de combustível e portagens.


Trabalhadores do Metropolitano de Lisboa em greve hoje, entre as 6:30 e as 11: hrs. Protestam contra os cortes salariais impostos pela Lei de Orçamento de Estado





No mesmo país, pelos mesmos dias, um homenzinho chamado José Sócrates e que é só o 1º ministro deste lugar, e que é um gajo que até corre, cercado por guarda-costas, e guarda-frentes é certo, mas corre (e se eu fosse a ele nem saia à rua, que coragem, homem!) visita a Bolsa de Turismo de Lisboa, e elege o Golfe como uma das prioridades da estratégia de recuperação da economia nacional, e logo ali decide que os campos de golfe vão voltar a ser tributados à taxa reduzida de IVA, de 6% (SEIS), em vez dos 23% que estavam a ser aplicados desde o início do ano, os mesmos 23% que são aplicados a produtos como por exemplo o leite achocolatado e os néctar de fruta.

Ah grande homem e grande país! Se eu não vivesse já lá, era para lá que eu queria ir. É que eu estou mesmo a pensar deixar de correr e passar a jogar Golfe e para além disso o leite com chocolate não faz nada bem e do néctar de fruta nem falar.

Sócrates, o pequeno ditador:
O que vale é que amanhã ou depois, vou treinar, domingo há Corrida ou Caminhada ou outra coisa qualquer lá para os lados da Ponte que era Salazar e que agora é 25 de Abril, e o Povo todo contente faz de conta que esquece isto tudo e é feliz por um bocado.

9 comentários:

Anónimo disse...

Olá Ana,

Grande mulher, sábias palavras...o nosso País está a saque e a ser gerido de uma forma irresponsável e digo mais, a favor de uma classe de "ditadores e capitalistas endinheirados". Estão a dar cabo da classe média baixa que paga quase tanto de taxas como as classes mais altas (pode-se comprovar isto verificando os escalões das tabelas de irs por exemplo). Não é de admirar que comecem a surgir novos pobres. Os pobres e com legitimidade são ajudados, miseravelmente mas ainda assim ajudados através de diversos apoios, isenções, etc...e quem for esperto... os outros, que ainda não são pobres mas para lá caminham, pagam e pagam e pagam (parece o reclame das pilhas duracell). Conclusão, estes últimos, e depois de pagarem todas as suas dívidas diárias, ficam com poucos mais euros disponíveis do que os ditos pobres ou mesmo dos que vivem através de subsídios... é o País que temos. O que me vale é que todos os dias, e logo que acordo, "tomo o meu remédio" e "transporto-me para bem longe da realidade". Esqueço-me por momentos onde vivo, esqueço-me que vivo nesta sociedade injusta e dita democrata. Não admira que existam vozes por aí a pedirem ao Salazar para regressar da tumba...percebe-se porquê. Houve um 25 de Abril em Portugal? Já nem me lembro sequer.
Tenhamos esperança em que venham dias melhores e vivam as corridas ou melhor dizendo os treinos.
Qualquer dia lembram-se de cobrar taxas a quem anda a correr na rua...não deve faltar muito.
Bjs Ana e bons treinos.

Fernando Sousa

Fernando Andrade. disse...

É que nem se ouviram manifestações de descontentamento dos senhores do golf (que, também...nunca estão descontentes) mas houve logo alguém que lhes tratou do assunto para baixar o IVA para os 6%, com o pretexto daquilo (que até é giro) ser um "motor" da economia. Mas que os verdadeiros motores (quer no sentido lato quer no sentido restrito)estivessem parados, isso era uma questão menor. Que importa que os supermercados não sejam abastecidos? que importa que não haja combustível nas bombas? Que importa que as pessoas não possam ir para o trabalho...? O golf é que não pode estar sujeito à austeridade!!!

horticasa disse...

Boa Maria!
Realmente é fantastico como os impostos são aplicados sempre de modo a defendar quem mais tem.
Mas sabes que estive a ouvi-lo ontem à noite e até fiquei com pena do homem!? A sério!! Eu não queria por nada deste mundo estar no lugar dele.
É que já a minha avó dizia (casa onde não há pão, todos ralham e todos têm rasão)
Porque isto está realmente um caos... temos que ter muita passiencia... e como já se sabe quem tem que pagar, são sempre os mesmos, ou seja nós.
bj eugénia

Jorge Branco disse...

Eu nunca votei no Sócrates!
Andamos há uma eternidade a votar nas mesmas políticas em que apenas muda a sigla partidária. As políticas são, rigorosamente, as mesmas!
As pessoas têm uma memória curta!
Mas não é só a memoria que é curta. Fazem-lhe uma lavagem ao cérebro!
Quem é que manda nas televisões, na radio, na comunicação social!
Que raio de democracia é esta!
Eu só digo uma coisa: MUDEM DE RUMO!
NÃO tenho medo! Experimentem outras políticas e outras gentes!
Ponho o exemplo nas autarquias e vejam quem melhor serve os interesses das populações e não serve delas para proveito próprio!
Acordem Portugueses!

Anónimo disse...

Por acaso já pensaram que o golf serve para os camones cá virem gastar o dinheirinho ....

Mité disse...

É verdade que o Golf serve os camones, mas no turismo tudo está em desalinho, como aliás em tudo o resto, e não foi concerteza a pensar nos camones que esta medida foi tomada mas sim, a pensar nos interesses de alguns que vão meter muito dinheirinho ao bolso e de certeza que esse dinheirinho não vai reverter em nosso favor!!!

Bjos Ana!!!

Mário Lima disse...

Ana

Essa vergonha de ministro (nem digo de 1º, para não envergonhar aqueles que o são mesmo), numa corrida da Ponte com o dorsal da mini, fez questão de ir para junto daqueles que iam correr a Meia. Um pequenino a querer ficar ao pé de nós que somos grandes.

... E os "yes man" que impediram a entrada daqueles da mini que também queriam ir para o lugar da Meia, deixou entrar este "fidalgo" mais o seu séquito de bajuladores.

Para ele, o golf é um jogo de elite não é para os "pés" descalços, por isso baixa num gesto magnânimo para os 6% enquanto os outros, o povoléu que se trame com os 23%.

Se não estamos num país terceiro mundista pouco falta, onde os ditadores decidem e a palavra dele é lei.

Mas o que esperar de quem tirou o curso de "engenheiro" num domingo?

... como dizem os «Homens da Luta»... "E o Povo Pá?"

Mário Lima disse...

Desculpa intervir de novo, até podes não considerar este meu comentário.

Para esse anónimo (que podia ter colocado um nome mesmo falso) que disse que o golf é para os estrangeiros virem para cá gastar o dinheirito.

Se estivéssemos à espera desse dinheiro para o povo sobreviver bem morríamos de fome. Nem todos os estrangeiros que para cá vêm jogam golf e aqueles que jogam são uma gota num oceano imenso de gente desesperada. Se esta amostra de ministro baixasse o IVA aumentaria o nível de vida dos portugueses. O pão, o leite, os produtos de 1ª necessidade não estariam sujeitos (como o anónimo refere) a uma tacada numa bola para que não faltesse na mesa o pão que o diabo amassou.

Se o golf dá de comer aos portugueses, transformem o país no tal jardim à beira-mar plantado e bolas com o perfil desse ministro que é para nós todos lhe darmos uma tacada de tal ordem que ele vá parar a um local onde imperou um tal de Bokassa. Assim sim, ele estaria que nem um soba, no seu elemento.

Desculpa Ana, pelo desabafo.

Mité disse...

Boa Mário adorei os seus dois comentários - 5 estrelas, partilho de tudo o que diz e da forma como o faz....

Bjos Anuska