Pesquisar neste blogue

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Grande Prémio de Atletismo da Charneca da Caparica

Organizado pelos Amigos do Atletismo da Charneca da Caparica e pela Junta de Freguesia da Charneca da Caparica, com os apoios da Câmara Municipal de Almada, Bombeiros Voluntários de Cacilhas e Comércio Local, realizou-se hoje o Grande Prémio de Atletismo da Charneca da Caparica.

Destaco a perseverança do Clube que mantém a prova viva, ano após ano. Em moldes idênticos aos das provas do antigo e agora inexistente Troféu de Almada, a organização divide as provas por escalões, desde os mais novos que Benjamins, passando por estes, até aos escalões mais velhos. Peca por isso por manter a prova feminina fora da prova principal, que tem cerca de 8500 metros, ficando o sector feminino condicionado a uma corrida de distância inferior a 3 Km.

Com excepção das provas dos mais pequenos, todas aquelas que se alargaram no perímetro, tiveram de se defrontar com fraca sinalização e igualmente fraca a segurança no que ao condicionamento do trânsito diz respeito.

Valorizo os prémios de presença: bolo, fruta e água, assim como Troféus e medalhas por classificação para todos os escalões, e também por equipas, sabendo nós a importância que estes assumem nos escalões mais jovens.

Valorizo principalmente a vontade e o trabalho de manter esta corrida de pé, assim como as inscrições gratuitas e todo o trabalho necessário para conseguir realizar a prova, não sem percalços como atrasos nas partidas e outros referidos, revelando um amadorismo que por isso mesmo, reveste estas gentes de um valor especial, pois sem intuitos lucrativos, promove e divulga a Corrida, não só neste evento, mas num trabalho de todo o ano, com treino e motivação aos seus próprios atletas e à comunidade.

Está por tudo isto, o Clube dos Amigos do Atletismo da Charneca da Caparica, meritório dos mais sinceros Parabéns, que lhes dou sem dúvida alguma.

Ana Pereira


A Prova da Maria

Venci. Ganhei. Lutei e venci! Venci os fantasmas e sozinha como há muito não fazia (desta vez o meu querido pai não me pôde acompanhar), levantei-me cedo, arranjei-me e pûs-me a caminho. 40 Km depois, estava na Charneca da Caparica. Cedo. Demasiado cedo talvez. Vou tomar café enquanto aguardo pelo meu Clube e pelas horas. Dali a pouco, o reencontro. Um abraço e beijinhos a todos. Pego na máquina. Gosto de fotografar. Principalmente as provas dos mais pequenos. Enquanto acho que ainda não é tempo de fazer o meu aquecimento, fotografo os pequenos. As condições não são as melhores, o Sol parece estar sempre do lado errado e não me facilita o trabalho/prazer de fotografar. Faço o que posso.

Depressa chega a minha hora de aquecer. Com o António, companheiro como poucos. Apesar da sua prova só começar depois da minha acabar, faz-me companhia no aquecimento. Conversamos um pouco. A máquina fotográfica já mudou de mãos (obrigada Inês, mas para a próxima eu quero-te é a correr ao meu lado), e o sinal de partida é dado.

Faço a prova com tanto bom senso que nem me reconheço. Em vez de correr à maluca por a distância ser curta, aqui a menina modera o andamento para um nível aceitável de esforço. É que a máquina está parada praticamente desde o ano passado, 31 Dezembro, e os 42 anos já pesam, mais o corpo que os anos, mas enfim deixai-a pensar assim, que são os anos que pesam. Desta forma faço uma prova bastante tranquila:

2730 metros em 15m28s, média de 6:40 / Km

Logo nos primeiros metros as posições se definem: fico de imediato para trás com umas senhoras perto de 2 décadas mais velhas que eu, e com a minha chefe de equipa, que já só corre a brincar. Deixo-me ir com elas, mas depressa (500 m) me apercebo que eu poderia ir um nadinha mais rápido. E vou. E a partir daí faço a prova totalmente sozinha. A perder-se de vista a atleta da frente e idem para a de trás, chegando mesmo em determinados cruzamentos ter de perguntar a populares por onde deveria seguir. Corro na berma, há veículos na estrada, até que um camião do lixo encosta para fazer a devida recolha do lixo e obriga-me a sair da berma e ir pelo meio da estrada, no preciso momento em que um veículo que o seguia ao vê-lo encostar, o resolve ultrapassar. Nada de especial, assim como numa curva apertada de muito má visibilidade é-me feita uma tangente por um outro veículo de vem de frente para mim. Escapo destas mas não gosto e quem me conhece sabe que em minha opinião a segurança é dos itens que mais valorizo numa organização e é óbvio que nem o facto de não pagar inscrições atenua o perigo e a responsabilidade, que a organização tem o cuidado de deferir para o atleta no regulamento, por isso, não há reclamações, mas nem por isso deixo de ter a minha opinião do ocorrido.

Passados estes episódios, há uma vozinha de criança que me chega aos ouvidos: "Força menina!" - levanto os olhos da estrada e do caminho e deparo-me com um petiz de 4 anitos, de olhos negros a bater-me palmas. Arranca-me um sorriso de orelha a orelha. Menina?! Sorrio, aceno-lhe e agradeço.

Rapidamente estou a chegar à meta. Muita gente chama por mim. Diz o meu nome. O meu nome na boca delas e o sorriso é agora constante. Falta o meu pai mas nem por isso me sinto só.

Recebo a água, o bolo, a maçã e depressa volto a pegar na máquina fotográfica para agora fotografar a prova principal. Pena que as pilhas se acabaram e não consegui fotografar todos os atletas à chegada. Ainda assim, como cada vez que corro, ganhei e venci.


Boa semana para todos

Maria Sem Frio Nem Casa


Algumas imagens:

As provas dos mais jovens:
A partida da minha prova:
A minha chegada, isolada, pois claro, seja lá o que isso queira dizer, mas que foi isolada, ai isso foi, como a imagem comprova: Já com os prémios de presença, dados à chegada: água, uma peça de fruta e um bolo de chocolate:
A partida da prova principal:
A mesa à chegada, com água, fruta e bolos:
Cerca de 150 Fotos do Grande Prémio de Atletismo da Charneca da Caparica, na AMMA - Atletismo Magazine Modalidades Amadoras

7 comentários:

ana paula pinto disse...

Boa, Ana!

Esta era uma prova que gostava muito de correr (havia sempre por lá alunos à mistura:-))

O ano passado, fomos tão loucas (eu, tu e a Magui) que chegámos a "deitar os bofes pela boca". Lembras-te?

Enfim, parece que tudo muda e nós mudamos também. Tenho saudades desse tempo. Aliás, saudades parece que é o que mais tenho (de tudo)...quanto ao resto, acho que pouco me resta.

Parabéns!
Beijinhos

Ana G. disse...

Parabéns, e beijinhos :-))

Carlos Lopes disse...

Parabens Ana

José Xavier disse...

Olá Ana;

Então de volta à participação nas provas.
Muito bem, parabéns!!

Boa continuação e não esquecer os treinos também....!

Abraço dos Xavier's

Fernando Andrade. disse...

Ora até que enfim, Amiga.
Fico feliz de a ver regressar às Corridas, ainda que para uma prova com 3km que, bem sei, não satisfazem uma mulher que gosta de distâncias bem maiores.
Mas que seja um recomeço auspicioso, Ana.
Grande beijinho.
FA

Lénia disse...

Parabéns Ana!

Que coragem , deixa que te diga. Eu não me sinto com estofo para provas tão rápidas, a última vez que fiz desta distância, deve ter sido há uns 20 anos.

Adorei as fotos, especialmente dos pequenos e a tua. Adoro ver os miúdos tão compenetrados.

Bjos e venham mais, não é?

elis disse...

oi, ana!!!

parabéns pela tua corrida!
ana, dos textos tecidos com palavras de seda, vou te contar um segredo: às vezes eu leio bem depressa, quase saltando sobre as palavras, a primeira parte dos teus relatos, só para chegar logo na.... prova da maria;)

bjs