Pesquisar neste blogue

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

6ª EDP MARATONA DO PORTO – 8 de Novembro de 2009

A Maratona do Porto sempre teve para mim um encanto e valor especial. Não porque fosse a minha primeira e por isso se revestisse de encantos nupciais, ou aquela onde fiz a minha melhor marca, pois também não o foi. Foi apenas aquela em que desisti há 2 anos atrás e que se mantém como a minha última tentativa de percorrer a mítica distância. Até hoje.

No entanto, o que me fez nascer e manter este perfeito enamoramento foi a coragem e força de um homem há 5 anos atrás, numa cidade do Norte, e ter dado à luz uma prova Rainha como quem gera um filho, num país só aparentemente de pouco mais de meia dúzia de maratonistas, pois na realidade eles existem embora até hoje prefiram as provas onde se perdem escondidos entre milhares, e ter cuidado desse filho com tanto carinho e dedicação que o tornou um caso sério no panorama da Corrida em Portugal.

A pedra fora lançada em 2004. Nessa 1ª edição, com apenas pouco mais de 300 atletas chegados, mas já a mostrar a qualidade de uma organização que prometia uma grande Maratona.

Este ano, a 8 de Novembro, 6ª edição, a prova teve mais de 800 atletas chegados. Mais um salto significativo no número de participantes, que usufruíram das condições oferecidas pela que é a melhor Maratona de Portugal.

Não a corri outra vez. Fiquei-me por uma das duas provas que decorreram em simultâneo: a Corrida da Família com 14 Km, e a Mini/Caminhada, prova sem classificação.

A organização: impecável. De um evento que colocou na rua cerca de 7500 indivíduos no total das 3 provas.

Destaco positivamente as zonas de partida, divididas e organizadas. O café oferecido antes da partida. A animação. O apoio da Cruz Vermelha. O trânsito cortado. As massagens no final. Os prémios de presença. A Feira. A “Pasta Party” apesar de já ter sido melhor em edições anteriores. O levantamento dos dorsais. A meta. O apoio logístico em termos de transportes. Os abastecimentos. A marcação dos quilómetros. As classificações rápidas, assim como as entregas de prémios. A beleza do percurso. O profissionalismo. O apoio psicológico por entidade competente.

Por tudo isto e mais alguma coisa, esta é sem dúvida a melhor Maratona de Portugal, que merecia ter muitos mais participantes. Se disser que para o ano, eu conto engrossar o número de atletas que usufruirão de uma Maratona de qualidade em Portugal, estou simplesmente a ser verdadeira. Porque há coisas que não se devem perder. E eu já perdi demais.


A minha prova dentro da 6ª EDP Maratona do Porto:

Family Race – Corrida da Família – 14 Km

Há coisas que se têm de preparar com antecedência. Uma Maratona é uma delas. Meses antes comecei uma vez mais a reservar lugares para os interessados em fazerem a viagem Lisboa-Porto-Lisboa, oferecida pela Runporto por um custo reduzido. Com o autocarro meio cheio e meio vazio, perdi todos os dados. Recuperados os dados com algumas dores de cabeça, e vejo-me na manhã da véspera da prova, na capital de Portugal, pronta a embarcar em mais uma aventura junto com 50 atletas, divididos pelas 3 provas. Estou nervosa, claro que estou nervosa. E se alguma coisa corre mal? Não há-de correr, mentalizo-me.

Chegamos ao Porto perto da hora de almoço. Uma Feira com um ligeiro cheirinho a lembrar a minha única internacionalização, Paris. Come-se massa, levantam-se os dorsais, uma volta pelos stands, dos quais destaco o Apoio Psicológico ao Maratonista, que este ano dispensei por razões óbvias, apesar de ser sempre um prazer reencontrar a Tatiana e a Helena, que desde a 2ª edição me apoiaram grandemente de forma profissional para além de simpática. No tempo em que eu era uma Maratonista activa.

Desta vez limitei-me a conversar, a reencontrar amigos, a apreciar a Feira e a resignar-me outra vez com a minha condição de participante nos 14 Km em vez da Maratona. Não posso negar uma certa nostalgia que afasto com a racionabilidade possível.

O dia da prova:

O pequeno almoço é serviço a partir das 6:00hrs. Somos levados para a partida, onde encontros e reencontros se dão. Três partidas diferenciadas: Maratona, 14 Km e Mini. Café, casa de banho, fotos e beijinhos e ocupo o meu lugar. Estou só. Como gosto e preciso de estar também. Comigo. Partimos. Pouco depois avisto três amigos que iam para a Maratona: António, Eliana e Carlos que se ia estrear na distância. Foi muito bom encontrá-los. É bom estar só mas melhor ainda estar com amigos. Conversamos. Animo e incentivo o Carlos e vou com eles em pensamento, mesmo quando chego ao Km 10 e temos de seguir percursos diferentes. A corrida foi-me fácil até ali. Muito fácil, como se o meu corpo voasse, agora como voa o meu espírito e segue com aqueles três amigos para a Maratona. De imediato avisto a Lígia, uma amiga que vai para os 14 Km como eu. Parece-me que vai a quebrar e apanho-a com facilidade. O ânimo não se me desvanece e sigo com ela num ritmo idêntico pois não estou propriamente folgada. Corremos juntas até à meta onde termino os 14 Km com 1h23m46s. Nada mau, penso. E não me custou muito. E soube-me muito bem. Tão bem como já há muito tempo o acto de correr não me sabia.

Reencontro o meu pai, a minha filha e amigos que tinham ido caminhar. Com excepção do meu pai, não espelham a minha alegria, como eu gostaria, pois a chuva miudinha não lhes tornou o passeio tão agradável como esperavam. Por mais que queiramos partilhar, e por melhor que seja a nossa vontade e intenção, há coisas que serão sempre só nossas e de difícil compreensão para terceiros.

Em silêncio, secretamente, porque a mais ninguém interessa ou diz respeito, prometo-me que dia 7 de Novembro de 2010 estarei de novo ali, no Porto, para correr a 7ª EDP Maratona do Porto.

Ana Pereira

Novembro 2009

6 comentários:

Vitor Veloso disse...

Olá Ana!!
Muito boa a prova correu-lhe muito bem.
Junto-me a si para o ano já somos dois que vamos a 7ª Maratona do Porto, a prova Rainha de Portugal.
Bons treinos
Bjs

JOSÉ LOPES disse...

Parabéns Ana

Participar é o mais importante, seja em 10km, 15, 20 ou 40km.

Para as duas últimas distâncias teremos que fazer uma preparação mais especializada, se não a fazemos teremos que nos dedicar a participar em provas com distâncias menores.

Talvez um dia.

Continuemos a treinar

Bjs

J.Lopes

Carlos disse...

Olá Ana,
Efectivamente os 10 Km iniciais passaram a voar e num instante já nos estavas a deixar para continuar a tua corrida. Para o ano, vais a direito connosco, ai isso vais :) Faltou-nos a tua boa disposição para juntar à da Eliane e à do António, sempre incansável. Teria sido muito mais penoso para mim sem esse companheiro ao lado. A ele a justa homenagem. E, para o ano, já temos todos o lugar marcado não é? Até breve

Anónimo disse...

Olá Maria
o importante é que corrste e que aqueles 14 quilómetros te souberam muito bem.
Um dia, um dia também acredito ainda que isso a ninguém interesse ou diga respeito, que ainda vamos correr a mesma maratona.
Força Maria.
Beijunhos Ana.
AAlmeida

Mark Velhote disse...

Olá Ana,

Antes de mais parabéns pela prova. Tenho a certeza que é um passo firme em direcção à 7a Maratona do Porto. O caminho é longo e difícil, mas se assim não fosse também não tinha piada nenhuma!
Concordo com todos os elogios feitos à prova que tb está de parabéns.

Um grande abraço

Carlos Lopes disse...

Olá Ana

Parabéns pela participação na Invicta. Se me lembre das poucas vezes que sai do circulo desportivo da grande Lisboa foi numa prova que também participaste