Pesquisar neste blogue

domingo, 20 de julho de 2008

XIII Corrida da Lagoa de Santo André – 19 de Julho de 2008

Esta prova que é já tradicional do Verão do litoral alentejano, deu um pulo este ano. Qualitativamente falando.

Com o habitual apoio técnico da Xistarca, a organização a cargo da Junta de Freguesia de Santo André optou e bem nesta edição por alterar a sempre questionada distância de 9 km para os 10 Km devidamente certificados por entidade competente. A certificação garante a distância anunciada e só por si já faz a prova dar um salto inquestionável em qualidade. O percurso alterado para proporcionar a nova distância traz também vantagens consideráveis. O desvio dos atletas para o meio do pinhal, em caminho de terra, desenhando um “U” e devolvendo-os à estrada mais à frente é em minha opinião um outro degrau subido na escala da qualidade. Mudança de piso, quebra na monotonia numa prova de ida e volta em alcatrão, são apenas exemplos.

Com um limite de inscrições de 700 atletas para a corrida, crê-se que chegaram à meta pouco mais de 600, pelo que não se justifica o ponto negativo encontrado, que se traduziu no seguinte: na distribuição dos sacos aos atletas na meta, a partir de determinado momento, nem todos os sacos tinham o já famoso e bonito medalhão em barro pintado à mão com aves da região, e isso é, a meu ver, um mau trabalho, uma nódoa num bonito pano e que a Corrida da Lagoa de Santo André não merecia. O prémio de presença é para todos. Se há um limite de inscrições, é precisamente para precaver e evitar situações destas. Atleta inscrito, que corre e termina a prova jamais o poderia deixar de levar. Mas aconteceu. Não sei se a 2, a 3 ou a 4 ou a 20 ou a 50 atletas. Mas não devia acontecer a nenhum! E perante as reclamações, alguém da organização confessa que de facto há sacos sem medalhão. Quem deu por isso e voltou atrás, e se teve sorte, ainda o trouxe (eu). Mas não foi assim para todos. Uma nódoa que certamente poderia ter sido evitada.

Passemos às coisas boas que também as houve e não foram poucas.

As inscrições e entrega de dorsais processaram-se de forma regular.

Com uma inscrição de 5 Eur, foi-nos dado um belíssimo percurso para correr. 10 Km certificados, numa estrada ladeada por pinhais, com o trânsito totalmente cortado, e ainda uma incursão no mesmo. Magnífico. Abastecimentos de água, o que foi perfeitamente satisfatório. Prova controlada por chip, bem sinalizada e com público aderente, desde os amantes da cerveja às senhoras da fruta, que em genuínas ofertas de melancia misturada com amor, nos davam ânimo e vontade de seguir e para o ano voltar.

Uma caminhada, a um custo de 1 EUR, foi realizada pela 1ª vez este ano. Proporcionou-se a cerca de 300 indivíduos o prazer de correr ou andar num cenário bonito e saudável.

Uma meta bonita, condigna com o resto. Espaço para retirar o ship. Entrega do saco e os parabéns e agradecimentos.

Banho disponibilizado para todos no Parque de Campismo

Entrega de prémios num palco montado para o efeito, com dignidade e despacho, durante momentos de convívio, onde não faltaram febras, pão, batatas fritas, vinho e fruta e música, mas onde faltaram sardinhas. Talvez (?) um excesso de confiança no ser humano tenha permitido os habituais abusos e açambarcamentos de alguns em situações deste tipo, o que sempre acaba por prejudicar uns tantos outros.

Uma classificação completa que demorou pouco mais de 24 horas a estar disponível para todos no site da Xistarca.

Corrida da Lagoa de Santo André. Uma corrida bonita num sábado à tarde, depois de um dia de praia com o corpo aquecido pelo sol e salgado pelo mar. Uma corrida bonita. Com prémios bonitos. Artigos artesanais da região. A tradicional t-shirt. O medalhão (não para todos). E se para mim o verdadeiro prémio são as emoções e sensações da vivência que me é permitida usufruir em cada prova, sendo por isso invisível para os olhos, ainda assim não deixo de lamentar profundamente a falha que ocorreu este ano na falta de entrega dos medalhões.

Se tenciono estar lá para o ano? Com certeza! Até porque pedi a um menino impossibilitado de correr este ano, a quem dei o meu medalhão, que continuasse a correr e que para o ano me desse ele o medalhão que ele lá irá ganhar. Ali na Lagoa de Santo André! Mas como quero que ele fique com o medalhão que com o seu esforço merecerá, eu tenho de lá estar e ganhar o meu. Mas isso ele não sabe...

Por tudo isto, que em 2009 nos seja a todos permitido correr na XIV edição da Corrida da Lagoa de Santo André. E que muitas mais edições se realizem! Parabéns! E força para continuarem!

8 comentários:

ana paula pinto disse...

Concordo. A Lagoa oferece-nos uma boa prova. Também acho que melhorou bastante com a introdução do percurso no pinhal.


O ano que vem temos que fazer uma festa ainda maior. Afinal, há-de estar presente o meu rapazola!! E ai dele se, além de te oferecer o medalhão, não nos assar as sardinhas!! Parece-me justo, não achas?

Beijinhos e bons treinos. (bem, não treines muito, se não fico roída de inveja quando te vir ligar o turbo na Partida!!) - isto já parece aquela publicidade "genuinamente" feminina do biquini e mais qualquer coisa de que não me lembro. lol

Maria Sem Frio Nem Casa disse...

Olá Paula.

Gostei dessa das sardinhas. É que sou um bocado dondoca às vezes... quer dizer, hummm, se disser que preferia que mas trouxessem já assadas e quentinhas em vez de estar a levar com o fumo nos olhos, lutar por um espaço no grelhador, não ter jeito nenhum para as virar, ser uma maricas com as queimaduradas, ai, ai, ui, ui, etc. etc. etc... achas que me fica muito mal? Não contes a ninguém.

Eu posso ir buscar pão por exemplo, uma tarefa simples, acho que a consigo realizar com facilidade.

Mas é isso: acrescenta o assar sardinhas ao medalhão. Aprovo plenamente.

Para o ano lá estaremos! Mas antes disso, ainda temos muito que correr! E rir! E muita melancia para comer.

Beijinho
Ana

Anónimo disse...

Olá Ana

bom saber que participou em mais uma prova...
Aproveito também para em nome dos 3agradecer as simpáticas "palavras de corredora" lá no blog.
António, Isabel e Vitória.

Lénia disse...

Pois é Ana!

Viva à sardinhas de Santo André!
E que para o ano estejamos lá todos novamente, e que de preferência assem as sardinhas por nós (eu não passei por essas dificuldades, tinha lá 2 rapazolas a tratar do assunto).
Dica: Levar uma grelha, como muitos fizeram - assim não dá trabalho nenhum (ao que parece:-)

Beijinhos e até à próxima.
Bons treinos e boa semana de trabalho.

André Gomes disse...

Ana,

já acompanho este blog faz tempo...

Também tenho um blog...

corridadotejo.blogspot.com sim o blog foi criado por mim apesar de lá escreverem duas pessoas...

quanto a pôr a linha em dia...

eu há 4 anos tinha 93 kgs hoje tenho 80 kgs

deixei as batatas fritas, os salgados, molhangas esquisitas...

só deixei alcool (muito de vez em quando), uns docitos e mais nada, no Verão faço uma dose de CLA + L-Carnitina muítos liquidos e praticamente só fruta...

qd quiseres dá lá uma saltada ao blog...

Força!!!

AGomes

luis mota disse...

Olá Ana!
Uma bonita região, confraternização e o prazer de correr deixam “pena” a quem não foi. Era uma prova que também gostava de ter participado. Terá de o ser no próximo ano.
Obrigado pela visita ao tomaracorrida.
Boas corridas,
Luís Mota

dominique disse...

Olà Anne,

É a primeira vez que participava nesta corrida, e agradavelmente fui surpreendida do ambiente e a convivialidade, porque nmim, na Bélgica, não existe refeições também conviviais após a corrida. Apercebi-o quando fazias as fotografias. Boa continuação e talvez ao ano próximo!

Maria da Luz disse...

que a prova nã acabe e as sardinhas tbem não, apanhe fumo ou não. jã sáo 14 provas - de corrida de sardinhas de febras e pão não há melhor convivio e conjugação do que este.Mª Luz