Pesquisar neste blogue

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Faltam pouco mais que meia dúzia de dias para a Maratona do Porto - Que fizeste hoje?

Muitos dias passaram desde o último texto aqui. 

O que fiz hoje? Nada de especial interesse. Principalmente se pensarmos na prova rainha que aí vem.

No entretanto, nestes muitos dias que passaram, muita água correu.

Deixei de estar inscrita na 11ª Maratona do Porto, a realizar-se já dia 2 de Novembro.

Agora sou o dorsal 8053 para a Family Race. Prova com cerca de 16 Km de distância a decorrer em simultâneo com a Maratona, que ambiciono correr. Assim, estarei lá, bem perto dela. Da Maratona. A sentir-lhe o cheiro, a cor, o brilho, a senti-la tocar-me na anca, ao de leve, e eu vou sorrir com alguma tristeza, que eu sei. Este ano outra vez, ela está-me interdita e partirei lá de trás, na Partida da Family Race, seguindo os Maratonistas e acompanhando-os até ao km 10, creio. Depois viramos nós para a nossa Meta e eles seguem, como eu segui no ano passado. Até à Meta depois de corridos 42.195 metros.

Este ano, posso dizer que não foi (apenas) desmotivação e pouca disponibiidade para os treinos de preparação. Este ano, posso dizer que estou lesionada mas porque não o sei, não vou dizer que tenho isto ou aquilo, especificando tecnicamente o que em linguagem popular é expresso por:

Pé lixado. Dor no calcanhar (lateralmente), em redor do tornozelo e claro, a cereja em cima do bolo, o famoso tendão de aquiles a gritar pela perna acima em cada passo de Corrida. Resumindo: tenho um pé lixado e os treinos são penosos, logo bem curtos e com grande espaço de tempo de recuperação (tentativa de) entre eles, inimaginável para qualquer pessoa que diga que corre. A ver se passa. Digo. Não passa. Vai ver. Sim, tenho de ir ver. Um dia.

Dia 2 de Novembro, estarei na Partida, atrás dos Maratonistas, a fazer a festa, a viver a festa, a correr nas ruas do Porto. A matar saudades. A reviver e a viver de novo. Emoções novas por certo, como sempre. Porque a vida essa, nunca pára de correr. E ao contrário de mim, corre todos os dias e faz de todos os momentos, por mais banais que nos pareçam na altura, verdadeiramente especiais e únicos.
Molly, por estes dias
Maratona do Porto - Novembro 2013

7 comentários:

S* disse...

Tanta mazela... força!!

JoaoLima disse...

Força Ana!

Beijinhos

Fernando Andrade. disse...

Chatice, Ana. As melhoras. Beijinho.

Carlos Cardoso disse...

Importante mesmo é debelares essas lesões...de resto, Maratonas há muitas, e se este ano estarás por fora a correr os 16km da Family Race, espero que para 2015 estejas em condições de voltar à prova raínha (a tua 6ª se a memória não me falha).
Beijinhos e até dia 2/11

j. Costa disse...

Pois !Eu vi logo que a ausência desta pagina me cheirava a "esturro".
Que pena mas paciência , estou certo que nos iremos ver por lá...por aqui as lesões também andam a "rondar"em tudo o que mexe ...vamos ver o que dá.Um grande bj meu e da Natércia .

Jorge Branco disse...

"Piquena" tem mesmo de ver isso! O problema não é só o ter que ver mas muito mais o como ver. Uma coisa que deveria ser fácil de ser resolvida torna-se muito complicada quando estamos em Portugal e se está a destruir o serviço nacional de saúde.
Mas tem mesmo de resolver isso até porque com tendão de Aquiles em particular não se "brinca" e pode-se arranjar algo mesmo de muito grave se não se tomar medidas.
Toda a força do mundo.
Um beijinho e au au para a Molly!

Horticasa hoticasa disse...

Que pena Ana!!
Que saudades tenho de ti, ao tempo que aqui não vinhas...
Um grande abração, um milhão de beijinhos e boa sorte para esse calcanhar que bem mereces