Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 16 de maio de 2022

8º Trilho das Lampas - 14 de Maio de 2022

Não sei se será da idade, se das experiências com que a vida me tem presenteado, o certo é que aprendi a relativizar as coisas e a valorizar o que realmente é importante. Também perdi a impetuosidade de outros tempos (em parte), própria da juventude e aprendi a viver com paixão e alegria tudo aquilo que a vida me permite fazer ao invés de chorar o que não posso fazer. É outra Ana.

E a antiga Ana, não iria jamais ao 8º Trilho das Lampas. A má forma, aliada às lesões e algumas limitações que não interessam nada para aqui pois cada um tem as suas, jamais se permitiria acreditar que seria capaz de percorrer os 15 Km do Trilho. Mas esta Ana, eleva ao expoente máximo, o valor da amizade, da saúde e das oportunidades que a vida lhe dá. E quando o Fernando Andrade a desafia, em poucos minutos passou do "nem pensava nisso de todo, não estou em condições" para um firme "Vou sim senhor!" A tal impulsividade ainda cá mora e em doses moderadas é uma coisa bastante positiva na maior parte das vezes.

A verdade, é que o Fernando Andrade simplesmente me pôs lá a Correr e eu...fui. Fui e fiz! Simples! E com a brincadeira continuo a ser totalista da prova, a dizer presente desde a 1ª edição, o que muito me orgulha, até porque foi no Trilho das Lampas que me iniciei no Trail, decorria o ano de 2013.

"...eu quero é que desfrute do Trilho"...foram as palavras-chave. Deixou de interessar a péssima forma e outras condições físicas limitativas e passou a ser prioridade...desfrutar do Trilho, e assim foi. Prioridade também a amizade, dos amigos que convenceu a participar (nas 3 modalidades da prova: Caminhada, Trilho curto e Trilho Longo), do Fernando Andrade, que por razões de força maior teve de assistir a tudo de forma remota e não podemos dar-lhe aquele abraço e agradecer por tudo isto e ainda a amizade dos amigos que reencontrámos, e que mexem com emoções por vezes adormecidas.

O Trilho das Lampas começou às 19:30hrs, e corro por aquele relvado tão familiar, o plano era correr na partida e depois na chegada. Era o mínimo exigido a mim própria. No durante, faria o que pudesse, acautelando-me para não sofrer desmesuradamente e não me dar mal. 

Dou por mim a aguentar-me relativamente "bem" no meu passinho de Corrida muito lenta. E o Trilho está tão bonito. Tão docemente apetecível, como se me abraçasse e me envolvesse nos seus braços à medida que avanço. Há sensações inexplicáveis, e ali, sinto-me em casa, acolhedoramente abraçada por toda a Natureza e ambiente envolvente. Caminho nalgumas subidas, naturalmente. E descubro que afinal as Caminhadas que tenho feito por serras e vales, contam alguma coisa para a preparação, e foram o que me valeram aqui, não tenho dúvida alguma.

O tempo está seco, algum vento, mas mal começamos a correr, sentimos a temperatura amena. O céu está cinzento e não vai haver pôr-do-Sol. A praia da Samarra, o som do mar, os riachos que atravessamos, a água que parece cantar, o verde, os pássaros, as rãs. Todos os sentidos alerta, uma sinfonia de emoções, orquestra magistral a tocar na minha alma. Depois fica noite, acendem-se os frontais (desta vez com pilhas novas) e apuram-se ainda mais os sentidos. Há passagens verdadeiramente mágicas no Trilho das Lampas, Marcações irrepreensivelmente bem colocadas e mesmo quando fiquei sozinha do Trilho, senti-me tão bem, tão segura, talvez porque nunca estamos verdadeiramente sós. Sensivelmente a partir do km 11 ou 12, apesar do Trilho ser perfeitamente corrível e o meu frontal iluminar o caminho muito bem, foram as pernas que me traíram e passei para o modo Caminhada. Não respondiam simplesmente. Mas a cabeça também manda e segui firme um passo a seguir ao outro. Queria também guardar alguma energia para cortar a meta a Correr e também por isso, mantive o passo de Caminhada. Entra-se num espaço, que fiquei a saber ser privado, gentilmente cedido para a nossa passagem e parece uma floresta mágica. As árvores nossas amigas, iluminadas pela luz do frontal, espectros fantásticos a alimentar a magia. Há archotes a iluminar o caminho e é hora de recomeçar a correr. Por fim sai-se do portão para o largo de S. João das Lampas, entra-se no relvado e corto a meta, feliz e completa, com a inequívoca certeza de que somos capazes de muito mais do que julgamos. Na Corrida ou no que for.

Demorei 2h25m43s para percorrer o Trilho curto (15 Km). Fui a 215ª a chegar à meta de um total de 268, e ainda a 14ª no escalão (F50) de um total de 20 miúdas do meu escalão.

A versão Trilho Longo, com a distância de 24 Km, teve 199 atletas chegados à meta.

Os abastecimentos foram do melhor, e ainda uma sopinha de legumes no final. Muito bom.

A medalha muito bonita. E até a Caminhada teve medalha! 

A Corrida, o Trilho, a Amizade. Coisas boas da Vida. E Correr, Correr no Trilho das Lampas é tão bom! Sem dúvida que usufruí do Trilho. De forma grandiosa e intensa. Por inteiro. Com todos os sentidos apurados, dedicados e empenhados em absorver tudo avidamente e processar internamente e depois transformar em emoções que nos fazem sorrir e ser feliz por dentro.

Agradeço especialmente ao amigo Fernando Andrade por tudo, à Organização: Meia Maratona de S.João das Lampas - Grupo de Dinamização Desportiva, à Sociedade Recreativa, Desportiva e Familiar de S.João das Lampas e a todos os envolvidos que contribuíram para que o 8º Trilho das Lampas se realizasse e nos recebesse assim, desta forma única e tão especial.

Para o ano, lá estarei de novo! Afinal, sou totalista da prova, já vos tinha dito não já? E enquanto houver vida em mim,  assim quero continuar.

 A minha prova, registada pelo Strava, pode ser vista aqui

Outras informações:

O site da prova: Trilho das Lampas

Resultados podem ser consultados aqui

o Evento no facebook

A Partida, por Miguel Pinho, pode ser vista aqui

E para quem tiver curiosidade, aqui, através dos links abaixo, fica a minha história de amor com o Trilho das Lampas, desde o seu início:

1ª edição - 2013   + Imagens, aqui

2ª edição - 2014

3ª edição - 2015

4ª edição - 2016

5ª edição - 2017

6ª edição - 2018

7ª edição - 2019


Com o amigo Mário Lima















Por Celina Jorge, o Trilho:



Por Celina Jorge, a Caminhada:

Sem comentários: