Pesquisar neste blogue

quarta-feira, 30 de março de 2011

Depois de amanhã...

Porque às vezes, em certos dias, horas ou momentos, as Palavras dos Poetas nos assentam como uma luva, e porque sim, hoje trago aqui "Adiamento" de Álvaro de Campos.

"Adiamento"


"Depois de amanhã, sim, só depois de amanhã...
Levarei amanhã a pensar em depois de amanhã,
E assim será possível; mas hoje não...
Não, hoje nada; hoje não posso.
A persistência confusa da minha subjectividade objectiva,
O sono da minha vida real, intercalado,
O cansaço antecipado e infinito,
Um cansaço de mundos para apanhar um eléctrico...
Esta espécie de alma...
Só depois de amanhã...
Hoje quero preparar-me,
Quero preparar-rne para pensar amanhã no dia seguinte...
Ele é que é decisivo.
Tenho já o plano traçado; mas não, hoje não traço planos...
Amanhã é o dia dos planos.
Amanhã sentar-me-ei à secretária para conquistar o mundo;
Mas só conquistarei o mundo depois de amanhã...
Tenho vontade de chorar,
Tenho vontade de chorar muito de repente, de dentro...

Não, não queiram saber mais nada, é segredo, não digo.
Só depois de amanhã...
Quando era criança o circo de domingo divertia-me toda a semana.
Hoje só me diverte o circo de domingo de toda a semana da minha infância...
Depois de amanhã serei outro,
A minha vida triunfar-se-á,
Todas as minhas qualidades reais de inteligente, lido e prático
Serão convocadas por um edital...
Mas por um edital de amanhã...
Hoje quero dormir, redigirei amanhã...
Por hoje, qual é o espectáculo que me repetiria a infância?
Mesmo para eu comprar os bilhetes amanhã,
Que depois de amanhã é que está bem o espectáculo...
Antes, não...
Depois de amanhã terei a pose pública que amanhã estudarei.
Depois de amanhã serei finalmente o que hoje não posso nunca ser.
Só depois de amanhã...
Tenho sono como o frio de um cão vadio.
Tenho muito sono.
Amanhã te direi as palavras, ou depois de amanhã...
Sim, talvez só depois de amanhã...

O porvir...
Sim, o porvir..."

de Álvaro de Campos


E amanhã, e depois de amanhã... eu poeta vou, eu voo, eu corro e escorro, eu estreio um vestido, um baton e um beijo, amanhã eu rio, eu vivo, eu corro, eu SOU... Mas hoje não... hoje não... hoje...não.Edvard Munch - pintor Norueguês (1863 -1944)

segunda-feira, 28 de março de 2011

V Grande Prémio de Atletismo de Fernão Ferro



Realizou-se no dia 27 de Março de 2011 o V Grande Prémio de Fernão Ferro, na localidade com o mesmo nome.

Foi organizado pela União Recreativa Juventude de Fernão Ferro, Zatopeques de Fernão Ferro, com apoio da Câmara Municipal do Seixal, Junta de Freguesia de Fernão Ferro, Comércio e empresas locais e Movimento Associativo do Concelho.

Prova a contar para o XXIV Troféu de Atletismo da C.M. do Seixal e integrada nos Jogos do Seixal 2011.

Levou à participação nesta manhã, centenas de indivíduos, divididos em provas para escalões jovens, nos quais destaco especialmente a participação de imensas crianças e jovens, uma Caminhada para todos sem fins competitivos, e a prova principal.

Circuito fechado, totalmente cortado ao trânsito, em total segurança, sendo a prova grande constituída por 3 voltas grandes, numa distância de cerca de 6800 metros.

Inscrições gratuitas, uma t-shirt como prémio de presença para todos, taças e troféus por classificação por escalão e também classificação por equipas.

Tudo o acima exposto não vai muito além de uma transcrição fiel de boa parte do Regulamento, que se veio a cumprir, por sinal. Copiar e transcrever, pouco diz, ou a frieza das palavras torna-as pouco significativas.

Eu estive lá. Fui uma das centenas acima referidas. Todos os meus sentidos absorveram a Corrida. O Seixal trabalha bem, parece-me. A Corrida tinha um pórtico insuflável a fazer de Partida e de Meta em simultâneo. As provas começaram a horas. O "speaker" animava o ambiente. As crianças transbordavam alegria. Aqueciam e corriam, com alegria mas muita seriedade e empenho. Valores que lhes vão sendo injectados, em treinos regulares nos seus clubes.

Não é uma "grande" corrida, ouviu-se. Não, não é porque não move milhares uma vez por ano. É uma Corrida que como tantas no seu género, as que vão resistindo, move dezenas de crianças a correrem com regularidade e proporcionando-lhes a competição saudável aos domingos.

É uma corrida com inscrição gratuita para todos, com vários abastecimentos de água apesar da curta distância. Com percurso bem marcado. Com pódio. Com Troféus e Taças de brilho refectido nos olhos das crianças que as seguram, prémio colectivo dos seus esforços conjuntos, fruto de um trabalho de equipa.

É uma corrida simples, diria eu. Simples e talvez por isso mesmo, não falha no essencial. É certo que a divulgação não é muita, nem as classificações se tornaram públicas até esta hora, mas lá, no dia, tudo foi suficiente, e a manhã foi de Desporto, Convívio e Festa para todos, desde o Benjamim ao Veterano mais velho.

O empenho e o esforço:
As taças e os prémios.



Os Escuteiros, sempre presentes a ajudar a organização em diversos pontos:
A minha prova:

E eu? Eu por lá andei, levando comigo o meu pai, e por lá andei a conviver, conversar, suar, correr e fotografar, como costume e como gosto, sorvendo emoções para depois as escrever. Viver afinal. É esta também uma fatia de um forma de vida. E às vezes cansa, tal qual a vida, cansa. Mas a par da vida, vale a pena sim. Sempre. Vale sempre a pena.Com o meu amigo António Pereira, que mais uma vez, me acompanhou do princípio ao fim; e ainda faltava uma volta:
Corri 6840 metros em 39m34s, média de 5:47 / km


Cerca de 450 fotos do Grande Prémio Fernão Ferro, tiradas por mim e por meu pai António Melro, no site da AMMA - Atletismo Magazine Modalidades Amadoras

domingo, 27 de março de 2011

V Grande Prémio de Fernão Ferro

Foi hoje que se correu o V Grande Prémio de Fernão Ferro e ...

... sim, sim, eu estive lá e corri, e ri e conversei e fotografei e suei água e sal, e etc. e tal., mas por agora só aqui ficam uma imagem e uma palavra, que no entanto encerram nelas um livro inteiro, metade já escrito e metade por escrever:

...Cansada...


Cerca de 450 fotos do V Grande Prémio Fernão Ferro, no site da AMMA - Atletismo Magazine Modalidades Amadoras, por meu pai António Melro e por mim mesma


Até amanhã querido diário... ou não

sábado, 26 de março de 2011

Coisas de cabelos e afins...

Outro sábado. E meio adoentada, sem treinos para além dos visíveis neste sítio, lá me mentalizo que amanhã há Corrida e mesmo sem treinos, como tem sido habitual, conto lá estar e correr o V Grande Prémio de Atletismo de Fernão Ferro.

E quando ainda se fomenta a ideia que a Mulher se quer de cabelos compridos, pois dessa forma é mais feminina, sensual, etc e tal...
e que o cabelo curto nas mulheres está associado a mulheres "...mandonas e/ou brigonas que tentam assumir posturas masculinas na sociedade, não necessariamente sendo lésbicas, mas querendo imitar papéis masculinos… Isso sim é insegurança ao meu ver… Freud explica isso tudo." - opinião retirada de um comentário de uma leitora, no sítio de Vanessa Versiani, consultora de imagem, eis que eu, depois de muiiiito tempo de guedelha grande, surjo assim:

E pelo menos de uma coisa tenho a certeza: sinto-me muito bem e amanhã vou correr muito mais leve!

domingo, 20 de março de 2011

O Blogue diário

O blogue diário serve para dizer que hoje é domingo e que acordei tarde. Que a inflamação nas vias respiratórias não me deu tréguas nem de noite nem agora, que a cabeça me doí e outros males me afligem.

Serve para dizer que acordei com os passos da Molly a entrar no quarto por achar certamente que já era tarde e de cama a dona já tinha tempo a mais, e que depois do pequeno almoço e de algumas tarefas domésticas, saí para a rua para correr e isto eram já horas de almoço.

O Sol primaveril apetece e aquece. Treino em asfalto e terra batida. Corrida contínua lenta.

Planeei 6 km, mas só corri 5 Km, no tempo fabuloso de 32:47, o que dá uma média de 6:32/Km, pelo que se torna incompreensível o estado de exaustão que me fez caminhar e dar por completo o treino aos 5 Km apenas. Não compreendo também como, e duvido mesmo se fui eu que há uma semana atrás corri 15 Km a 6:13, nas Lezírias. Assim como não sei como, e duvido mesmo como farei os 15 Km da Corrida dos Sinos daqui a 2 semanas. Um mistério a desvendar nos próximos tempos.

Excertos na memória recente:

"- Se eu quiser, num instantinho volto ao que era não volto?
- Voltas, mas não é num instantinho! Talvez nuns 6 meses, a treinar, claro!"

"-Rapariga... quem te viu e quem te vê..."

Mastigo os pensamentos, e sei que está tudo nas minhas mãos. Isto e demasiadas outras coisas. Praticamente só e apenas nas minhas mãos, com o devido peso sobre as costas.

Hoje:

O treino soube-me bem. Sensações adormecidas e trazidas à luz: o sol e a brisa morna na pele, os odores do campo, o chilrear constante dos pássaros, o zumbir das abelhas, os insectos a voar, o sentir do pulsar do meu coração, os meus passos na terra e o suor a emergir em cada poro. E de repente o roncar inconfundível de uma Yamaha na estrada faz-me acreditar que a loucura te traria até mim, assim, sem eu esperar, no fim de um treino, e me abraçarias assim como eu estava, suada e suja, sem te importares com isso e eu também não, como há tempos idos nunca aconteceu. Por instantes acreditei, só por uns instantes, mas não, não eras tu a cavalgar a Yamaha comigo colada a ti, onde pertenço e como devo estar, colada a ti. Depressa me dei conta que hoje é mais um dia da minha vida que vivo sem ti. Continuei o treino, agora que a Yamaha já vai longe e se deixou de ouvir.

Amanhã outro dia virá. Tenha eu saúde e vida para correr e viver. E ainda tempo e paciência e vontade para contar.

Até amanhã querido diário e boa semana a todos

À minha espera, a Molly:
Um beijo roubado:

sábado, 19 de março de 2011

A Menina do Papá no Dia do Pai e a Primavera a chegar

Outro sábado para viver. Enchi-o logo pela manhã... treino da filha e da Molly. À tarde, treino da Mãe e passeio do Pai. Pelo meio e nos extremos, coisas minhas.

Com a Primavera a despontar, corri (e caminhei pois havia várias dores a incomodar-me e até aproveitei para umas filmagens - grande treino hão-de pensar e não se enganam!) durante:

6290 metros em 41m46s, média de 6:38 / min

Pouca coisa, ou muita coisa, depende das perspectivas. Para mim foi muita coisa. Um sábado com muita coisa e boa. Dia do Pai dizem principalmente as lojas, e eu e o Pai, tivemos um sábado com coisas boas fora das lojas. Entre elas:

O Treino da Mafalda e da Molly:
video

A Menina do Papá:
video

E o Papá:
video


Ficou a Vontade de recomeçar a treinar. Depois de um treino, fica sempre a Vontade. A Vontade de treinar com vista a algo mais que correr de vez em quando, que é o que eu ando a fazer. A Vontade, essa amiga que vai e vem, fiel ou infiel. Que fica ou me vira costas descaradamente. Aquilo que eu permitir que ela seja, afinal como em todas as relações, a minha relação com a Vontade será o que eu quiser, permitir e fizer com ela.

Bom domingo, boas provas e bons treinos. com muita Vontade

terça-feira, 15 de março de 2011

Um País chamado Portugal, 15 de Março de 2011

Europa, Portugal, 15 de Março de 2011
Empresas de transportes rodoviários de mercadorias em paralisação por tempo indeterminado, desde as 0:00 hrs de ontem. Reivindicam medidas de apoio ao sector face aos aumentos de custos de combustível e portagens.


Trabalhadores do Metropolitano de Lisboa em greve hoje, entre as 6:30 e as 11: hrs. Protestam contra os cortes salariais impostos pela Lei de Orçamento de Estado





No mesmo país, pelos mesmos dias, um homenzinho chamado José Sócrates e que é só o 1º ministro deste lugar, e que é um gajo que até corre, cercado por guarda-costas, e guarda-frentes é certo, mas corre (e se eu fosse a ele nem saia à rua, que coragem, homem!) visita a Bolsa de Turismo de Lisboa, e elege o Golfe como uma das prioridades da estratégia de recuperação da economia nacional, e logo ali decide que os campos de golfe vão voltar a ser tributados à taxa reduzida de IVA, de 6% (SEIS), em vez dos 23% que estavam a ser aplicados desde o início do ano, os mesmos 23% que são aplicados a produtos como por exemplo o leite achocolatado e os néctar de fruta.

Ah grande homem e grande país! Se eu não vivesse já lá, era para lá que eu queria ir. É que eu estou mesmo a pensar deixar de correr e passar a jogar Golfe e para além disso o leite com chocolate não faz nada bem e do néctar de fruta nem falar.

Sócrates, o pequeno ditador:
O que vale é que amanhã ou depois, vou treinar, domingo há Corrida ou Caminhada ou outra coisa qualquer lá para os lados da Ponte que era Salazar e que agora é 25 de Abril, e o Povo todo contente faz de conta que esquece isto tudo e é feliz por um bocado.

segunda-feira, 14 de março de 2011

Corrida das Lezírias 2011


CORRIDA DAS LEZÍRIAS 2011

Com organização a cargo da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, apoio técnico da Xistarca
e patrocínio oficial da Sport Zone, realizou-se na manhã do dia 13 de Março de 2011, a popular Corrida das Lezírias, com partida e chegada no Parque Urbano do Cevadeiro, em Vila Franca de Xira.

Prova com inscrições de custo razoável - EUR 6,00 na 1ª fase - tendo em conta o serviço prestado, boa divulgação, entrega de dorsais na Praça de Touros Palha Blanco, em Vila Franca de Xira, esta prova levou quase 1300 atletas a percorrer os anunciados 15 Km como distância certificada pela CNEC, apesar do percurso escolhido este ano, onde certamente os atletas se depararam com menos lama do que se se tivesse mantido o percurso de edições anteriores, me deixasse pessoalmente, sérias dúvidas sobre a sua exactidão.


Em simultâneo com esta prova decorreram provas para os mais jovens e ainda uma Mini/Caminhada, proporcionando momentos desportivos e lúdicos a todos - aos que por qualquer condição, não estariam aptos para a prova principal.

Saem os atletas pela estrada nacional, atravessam a cidade de Vila Franca de Xira, entram na Ponte Marechal Carmona, e enveredam pela lezíria ribatejana. Campinos trajados a rigor sobre imponentes cavalos brancos marcam o percurso nos cruzamentos. Uma imagem ímpar que contribui para a singularidade desta Corrida. Terra batida, marcação de quilómetros pouco exacta, 2 abastecimentos de água e um tempo pouco frio e sem chuva, tornou a manhã muito agradável para correr.

A prova é ida e volta o que proporciona um constante aglomerado de atletas, cores alegres sob o cinzento do céu desta manhã, a sobressair na paisagem do solo branco e da vegetação verde. Avista-se gado, mas faltam os cavalos a correr, que habitualmente, em edições anteriores sempre marcam presença, a correr ao lado dos atletas.

O trânsito foi devidamente condicionado e mesmo cortado em algumas partes da prova, assegurando-se a corrida em segurança.

Todo o percurso está devidamente bem marcado, a zona da meta é animada, o controlo é feito por chip, e o pódio é majestoso para os que tiveram o mérito de lá subir.

Os prémios de presença: uma camisola chamada técnica (de fibra supostamente criada e adequada ao exercício físico), uma medalha, água, gel e amostras.

As classificações ficaram disponíveis em poucas horas, os prémios de classificação foram atribuídos no local, com brevidade, e está por tudo o acima descrito e por alguma coisa mais que me escapou mencionar, a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira e todos os envolvidos, de Parabéns.

Uma prova a merecer o carinho dos atletas e que eu recomendo.

Ana Pereira



Primeiros classificados:

Geral Masculinos:
1º Vitor Carranca, do JD Almansor, com 47:36
2º Duarte Marques,do CN Rio Maior, com 48:05
3º Hamid Hakim, do CP Alcanena, com 48:22

Geral Femininos:
1º Ana Machado, do Garmin/CO Oeiras, com 58:04
2º Lucília Soares, do SL Benfica, 58:41
3º Alice Basílio, do AA Mafra, com 01:00:29

Classificações completas no site da Xistarca

Perto de 2000 fotos no site da AMMA - Atletismo Magazine Modalidades Amadoras



A Corrida da Maria


Ai, a Maria faz uma festa cada vez que corre. Para ela própria, já que não é dada a grandes manifestações, limitação que tem, que lamenta e a impede muitas vezes de demonstrar clara e inequivocamente o que sente.

Então depois do treino desta semana, precisamente nestas Lezírias, em que depois de 10 km, não conseguiu correr mais, por exaustão total, hoje ela correu 14.760 metros, seguidinhos sem parar, em 1h31m50s, numa média de 6:13 / Km, ritmo que manteve de forma espantosamente regular.

Claro que lhe valeram os amigos que com ela correram precisamente os mesmos metros e durante o mesmo tempo: António, Ana Paula e Carlos. Mas porra! As pernas eram dela, e o coração também! (e o peso no rabo, nas coxas, nos braços e no abdómen, e noutras partes invisíveis para além deste corpo grotesco, também!). E o sangue que lhe corria nas veias e a vontade com ele, avançando em cada batida do coração e em cada passada no chão lamacento, passo a passo, a vontade de vencer, era dela! E ela venceu! Porque por mais que nos ajudem e queiram estar ao nosso lado, definitivamente o essencial é que nós deixemos e queiramos! Bem dentro de nós! E ela quis! E ela foi ajudada! E ela ganhou vida nesta Corrida, como sempre ganha! E ao querer, toda a força deixou de ser já só dela, e quando chega à meta, feliz e contente, não o deve só a ela não. Deve-o a todos, os que correram com ela, os que a esperavam, os que lhe sorriram, os que lhe deram a mão, porque ela sabe que sozinhos, simplesmente... somos nada.

Maria Sem Frio Nem Casa

Com a minha amiga Ana Groznik, antes da Partida, ainda "frescas" (não é que o deixemos de ser depois da corrida, mas vocês percebem)

Na fase inicial, a começar a subir a ponte, para depois entrarmos nas Lezírias:



A caminho da meta... ai a meta, onde está? E ainda temos de atravessar Vila Franca toda... com a Serra e a Cidade a assistir:

quinta-feira, 10 de março de 2011

A Luta é Alegria, pá! e Alegria é precisa, pá!

Alegria é precisa, pá!

Parabéns Homens da Luta:



"Por vezes dás contigo desanimado
Por vezes dás contigo a desconfiar
Por vezes dás contigo sobressaltado
Por vezes dás contigo a desesperar

De noite ou de dia, a luta é alegria
E o povo avança é na rua a gritar

De pouco vale o cinto sempre apertado
De pouco vale andar a lamuriar
De pouco vale um ar sempre carregado
De pouco vale a raiva para te ajudar

De noite ou de dia, a luta é alegria
E o povo avança é na rua a gritar

E traz o pão e traz o queijo e traz o vinho
E vem o velho e vem o novo e o menino
E traz o pão e traz o queijo e traz o vinho
E vem o velho e vem o novo e o menino
Vem celebrar esta situação e vamos cantar contra a reacção
Vem celebrar esta situação e vamos cantar contra a reacção

E traz o pão e traz o queijo e traz o vinho
E vem o velho e vem o novo e o menino
E traz o pão e traz o queijo e traz o vinho
E vem o velho e vem o novo e o menino

Não falta quem te avise «vai com cuidado»
Não falta quem te queira mandar calar
Não falta quem te deixe ressabiado
Não falta quem te venda o próprio ar

De noite ou de dia, a luta é alegria
E o povo avança é na rua a gritar

E traz o pão e traz o queijo e traz o vinho
E vem o velho e vem o novo e o menino
E traz o pão e traz o queijo e traz o vinho
E vem o velho e vem o novo e o menino

Vem celebrar esta situação e vamos cantar contra a reacção
Vem celebrar esta situação e vamos cantar contra a reacção
Vem celebrar esta situação e vamos cantar contra a reacção
Vem celebrar esta situação e vamos cantar contra a reacção

E traz o pão e traz o queijo e traz o vinho
E vem o velho e vem o novo e o menino
E traz o pão e traz o queijo e traz o vinho
E vem o velho e vem o novo e o menino
A luta continua"

"A Luta é Alegria" de Homens da Luta

terça-feira, 8 de março de 2011

A Corrida das Lezírias no próximo domingo e O Treino nas Lezírias hoje

Hoje, n'O Treino nas Lezírias tivemos:

10 Km de Corrida em 1h e mais 6,5 Km a caminhar, num total de tempo de 2h06m a suar
O Tejo
Chuva
Lama, lama, lama e mais lama
Ténis a pesar 1 Kg cada um com a lama e completamente encharcados em água
Caminhos totalmente ocupados com ervas até à altura do nosso pescoço que tivemos de desbravar com o corpo
Touros bravos a olhar para nós (calhou bem ser na zona das ervas altas, ainda me baixei enquanto avançava o mais rápido que podia por entre o matagal molhado e frio)
Cavalos majestosos a correr
Patos
Estorninhos
Cegonhas
Garças
Gaivotas
Rãs
Caracóis e caracoletas a atravesssar os caminhos
Cães de guarda
Gatos abandonados
A Capela de Nossa Senhora de Alcamé
Cansaço
Força
Vontade
Silêncio
O som da chuva a cair no Tejo e na terra e em nós
O chilrear das aves
O mugir dos touros
O relinchar dos cavalos
Gargalhadas
Silêncio (sim, duas vezes na lista, é de propósito)
Felicidade
E de novo Silêncio

E hoje foi assim nas Lezírias


Domingo na Corrida das Lezírias... teremos... Aguardemos!

Beijinhos e resto de boa semana


Os meus ténis, já em casa, depois de uma primeira passagem debaixo do chuveiro. Não sei se os recupero - seco - até domingo... o problema é que... não tenho outros! E se por um lado pondero mesmo em comprar uns novos, por outro, temo inteligente e sensatamente que as Lezírias no domingo não estejam em condições muito diferentes...
Aguardemos pois...